Lançamentos nacionais – Fantastico e FC (31.05.2010)

Lançado dia 20 de Maio pela Porto Editora, Hush, Hush é o primeiro livro de Becca Fitzpatrick. Se a moda até agora eram os vampiros, esperem uma vaga de anjos este ano. Após o sucesso do primeiro livro, encontra-se planeado um segundo, uma sequela, de título Crescendo.

A sinopse de Hush Hush deixa antever um romance paranormal, envolvendo uma humana e um anjo:

Apaixonar-se não fazia parte dos planos de Nora Grey. Nunca se sentira atraída por nenhum dos rapazes da sua escola, apesar da insistência de Vee, a sua melhor amiga. Então, aparece Patch. Com um sorriso fácil e uns olhos que mais parecem trespassar-lhe a alma, Patch seduz Nora, deixando-a completamente indefesa. Mas, após uma série de encontros assustadores com Patch, que parece estar sempre onde ela está, Nora não consegue decidir se há-de cair-lhe nos braços ou fugir sem deixar rasto.

Em busca de respostas para o momento mais confuso da sua vida, Nora dá consigo no centro de uma antiga batalha entre imortais. E quando é chegada a altura de escolher um rumo, a opção errada poderá custar-lhe a vida.

Também já a antecipar a moda dos anjos, a Editorial Presença disponibiliza, em pré-venda, Angeologia, de Danielle Trussoni. Este é também o primeiro trabalho ficcional da autora, e tem sido descrito como cruzando referências de O Código da Vinci e Labirinto (de Kate Mosse):

Desde o início dos tempos que os nefilins, a raça que descende de anjos e humanos, procura dominar a humanidade semeando o medo, provocando guerras e infiltrando-se nas mais poderosas e influentes famílias da história. Apenas a sociedade secreta de angelologistas, com os seus conhecimentos ancestrais, tem conseguido detê-los. Agora, a Irmã Evangeline do Convento de Santa Rosa, no estado de Nova Iorque, está prestes a juntar-se a eles. Mas conseguirá ela resistir ao imenso poder dos nefilins e evitar o apocalipse? Uma narrativa vigorosa, complexa e inteligente que funde elementos bíblicos, míticos e históricos e envolve o leitor da primeira à última página.

Também pela Editorial Presença, A estranha vida de Nobody Owens foi o título português dado ao livro The Graveyard Book de Neil Gaiman. Vencedor do prémio Hugo, e nomeado os prémios Locus e World Fantasy, é uma história juvenil de fantástico negro, centrado em Nobody Owens, um rapaz cuja família foi assassinada, e encontrou refúgio num cemitério. Educado por fantasmas, adquire poderes estranhos que lhe permitirão sobreviver no mundo exterior.

Engraçado, torna-se demasiado linear ao se debruçar apenas no rapaz, desprezando possíveis desenvolvimentos que poderiam ter tornado a história mais sólida e interessante.

Aproveitando a Feira do Livro, a Editorial Presença lançou O Terceiro Deus com a presença do autor, Ricardo Pinto. Este é o terceiro volume da Trilogia A Dança de Pedra do Camaleão, que já esperava há alguns anos:

Na sequência do massacre das tribos de o Céu da Terra, Carnelian Suth sente-se revoltado por tudo aquilo que presenciou e pretende pôr fim à carnificina levada a cabo por Osidian Nephron, o Deus-Imperador. Porém, este continua sedento de vingança contra aqueles que usurparam o seu trono e provoca a ira dos Mestres que governam a Comunidade a partir do seu centro, Osrakum. A guerra é inevitável e Carnelian compreende que a sua sobrevivência e a de todos os que lhe são queridos depende da sua aliança com Osidian. No fim, Carnelian compreenderá que ele próprio ajuda a desencadear forças apocalípticas e a revelar segredos atrozes. O Terceiro Deus é a conclusão de uma das epopeias mais notáveis das duas últimas décadas da literatura fantástica.

O Verdadeiro Dr. Fausto de Michael Swanwick é uma das apostas da Saída de Emergência para o mês de Junho. Enquadrado no género da ficção científica, Steampunk, centra-se em Fausto, a quem é dada a possibilidade de possuir todo o conhecimento do Universo, no século XVI.

Se inicialmente se pensava que este conhecimento seria utilizado apenas para o bem, o rumo dos acontecimentos revela-se outro com o descobrimento das armas nucleares.

Nomeado para os prémios Hugo, Locus e BSFA, este deverá ser um dos grandes lançamentos do ano, no género.

Pela Gailivro, A Floresta de Mãos e Dentes de Carrie Ryan, um livro de zombies, em que os humanos não contaminados se isolam, gerando uma sociedade distópica, caracterizada pela violência e pela repressão. Caracterizado como sendo um livro para jovens, tem obtido comentários simpáticos, e é o primeiro de uma trilogia:

Mary sabe pouco sobre o passado ou sobre o porquê de no mundo existirem dois tipos de pessoas: os que residem na sua vila e os mortos-vivos do lado de fora da cerca, que vivem de devorar a carne dos vivos. As Irmãs protegem a Vila e promovem a continuidade da raça Humana. Depois de a sua mãe ser mordida e se juntar aos amaldiçoados, Mary é enviada às Irmãs para se preparar para o Casamento com o seu amigo Harry. Mas as cercas são quebradas e o mundo que Mary conhece desaparece para sempre. Mary, Harry, Travis, que Mary ama mas que está prometido à sua melhor amiga, o irmão de Mary, a sua mulher e um pequeno órfão partem rumo ao desconhecido em busca de um lugar seguro, respostas às suas perguntas e uma razão para continuar a viver.

Também pela Gailivro, podemos esperar A Breve Segunda Vida de Bree Tanner, a história de Crepúsculo sob a perspectiva de uma outra personagem, uma vampira:

Ao contrário dos outros romances da série, narrados segundo a perspectiva de Bella, a “eterna” namorada do jovem vampiro Edward Cullen, A Breve Segunda Vida de Bree Tanner dá-nos uma outra visão da história, agora através da vampira recém-nascida Bree Tanner, que em Eclipse morre dez páginas após aparecer.

Fragmento é outra das apostas recentes da Porto Editora, desta vez no género da ficção científica:

Seis jovens cientistas aceitam o desafio de um reality show e, entre amizades, amores, intrigas e uma descoberta que tem tanto de fascinante como aterrorizadora, vivem a aventura mais emocionante das suas vidas.

Quando a tripulação e elenco do reality show “Sealife” encontram a inexplorada ilha Henders, no Pacífico Sul, rapidamente percebem que não se trata da Lagoa Azul. Henders desenvolveu-se num total isolamento do resto do mundo, densa e habitada pelas mais exóticas e inimagináveis espécies predadoras. Enquanto os cientistas a bordo do “Sealife” se deslumbram com as descobertas, os políticos decidem se a investigação em curso compensa o risco que as criaturas da ilha podem representar para a Humanidade. É então que, a horas de se concretizar a destruição total da ilha, é descoberta vida inteligente em Henders, diferente de tudo o que alguma vez foi visto na Terra.

Pela Contraponto é publicado O Beijo dos Elfos, de Aprilynne Pike, um livro que terá atingido a lista de Best-sellers do New York Times. Primeiro livro da autora, chega-nos com uma diminuta sinopse que pouco deixa antever :

Nesta extraordinária história de magia, intriga e romance perigoso, tudo o que pensavas conhecer sobre o mundo das fadas vai mudar

O Livro das Coisas Perdidas é a aposta da Bertrand no fantástico, uma história que parece enquadrar-se no género juvenil:

Quando David, um menino de doze anos, se refugia do seu sofrimento nos mitos e contos de fadas de que a sua mãe, agora morta, tanto gostava, percebe que o mundo real e a fantasia se confundem. É então que começam a acontecer coisas más. E chega o Corcunda. David é violentamente impelido para uma terra habitada por heróis, lobos e monstros, cujo rei guarda os seus segredos num livro lendário… O Livro das Coisas Perdidas!

Ainda que desenquadrado da temática, mas digno de nota, a Livros de Areia publica Fome de Elise Blackwell. No site oficial encontra-se um excerto disponível para leitura:

Leninegrado, 1942. O cerco das tropas de Hitler vai obrigar os homens e as mulheres da cidade a compromissos e sacrifícios para além dos limites do admissível. No Instituto Botânico, Alena e outros cientistas juram protecção às sementes raras, mesmo na iminência da grande fome. Mas o marido de Alena, o nosso cuidadoso narrador, não está tão seguro assim… E quem consegue responder com segurança à pergunta: o amor e a honra podem mais do que a fome?

Esta semana (29.05.2010)

Esta semana podemos encontrar críticas a vários livros de autores portugueses, assim como uma crítica aos contos de Imaginários (Vol. 2):

- Reflexões do Diabo – João Cerqueira (Bela Lugosi is Dead)

- Morse de Morte – Arsénio Mota (A Lâmpada Mágica)

- Sputnik, Meu Amor – Haruki Murakami (Lydo e Opinado)

- O Beijo dos Elfos – Aprilynne Pike (Bela Lugosi is Dead)

- As Jaulas Nada Subtis – Rhys Hughes (A Lâmpada Mágica)

- A Vingança do Lobo – Vitor Frazão (Morrighan)

- Imaginários Vol. 2 – Vários Autores (Floresta de Livros) – post a post, os vários contos vão sendo comentados.

- A Cidade de Vidro - Cassandra Clare (Segredo dos Livros)

- Inishmore - Carla Ribeiro (Páginas Desfolhadas)

- A Marca de Kushiel – Jacqueline Carey (As Leituras do Corvo)

- La Muerte del Capitán Futuro – Allen Steele (A Lâmpada Mágica)

- Jaguar – J. Pedro Baltasar (Muito para Ler) – o livro será apresentado amanhã, dia 30 de Maio, na FNAC Almada, pelas 15h

- Shadow, O Confronto – Joana Miguel Ferreira (Taste This Book)

- Orgulho e Preconceito e Zombies – Jane Austen e Seth Grahame-Smith (As Leituras do Corvo)

- O Hotel “A Queda do Alpinista” - Strugatski (A Lâmpada Mágica)

- A Quinta dos Animais – George Orwell (Falling into Infinity)

- The Clear Blue Seas of Luna – Gregory Benford (A Lâmpada Mágica)

- Eternidade – Alyson Noel  (Morrighan)

- Os Livros que Devoraram o meu pai – Afonso Cruz (Bibliotecário de Babel)

Para além das críticas, podemos encontrar um apanhado das melhores capas de BD para Julho 2010, e David Soares fala de um novo projecto em Cadernos de Daath:

- As melhores capas de BD – Julho 2010 (Bela Lugosi is Dead)

- É de noite que faço as perguntas – David Soares (Cadernos de Daath)

The Bridge – Zoran Zivkovic

Zoran Zivkovic é dos meus autores favoritos, escrevendo essencialmente histórias curtas em torno de uma só temática. Em Biblioteca encontramos contos sobre livros, em Impossible Encounters são-nos descritos vários encontros impossíveis ou em Seven Touches of Music a música tem um papel fulcral nas histórias.

Em The Bridge encontramos também três histórias ligadas, onde três personagens têm encontros  improváveis: um homem encontra-se a si próprio, uma senhora idosa cruza-se com a vizinha falecida, e uma jovem reconhece o filho que ainda não nasceu. Em todos os três encontros a personagem decide-se a seguir disfarçadamente a pessoa que segue assistindo a estranhos episódios: o homem que se encontra a si próprio vê-se a pintar o cabelo de ruivo e a passear com uma bola vermelha de bowling na mão, enquanto a vizinha falecida participa numa competição de comida.

Escritos com mestria, as três histórias relembram sonhos tanto pelas personagens que descrevem, como pelos episódios que vivem. Ainda assim, embora tenha achado o conjunto engraçado, não se encontra, a meu ver, entre os melhores do autor, talvez por não se centrarem em nenhum elemento específico.

Notícias Fantásticas (2010.05.25)

É já a partir de dia 29 de Maio que decorre o VI Festival Internacional de BD de Beja, até 13 de Junho. O horário do evento encontra-se no site oficial, e podem esperar exibições, eventos e venda de BD’s. Entre os eventos podem encontrar lançamento de As Aventuras de Dog Mendonça e Pizza Boy, a apresentação do projecto Voyager ou sessão de autógrafos de A Fórmula da Felicidade.

Entretanto, encontra-se disponível para download, a Revista Bang N.º 7 no site da editora.

The Master and Margarita – Mikhail Bulgakov

Escritor russo, Mikhail Bulgakov tornou-se conhecido pelas peças e adaptações de várias obras ao teatro, tendo sido apenas após a sua morte que se publicou a obra que se associa automaticamente ao seu nome The Master and Margarita. Tendo conhecido várias edições, a primeira com passagens censuradas, The Master and Margarita é considerado um clássico do século XX. Para além deste, Mikhail Bulgakov escreveu ainda algumas histórias que se enquadram no género de ficção científica, como Heart of a Dog ou The Fatal Eggs.

Produzido durante um período da vida de Bulgakov em que este se encontrava viciado em morfina, é uma obra fantástica que fornece alguns detalhes que caracterizavam a sociedade russa da época. Numa altura em que se abole a religiosidade na Rússia, Bulgakov apresenta-nos a história, com uma conversa entre um editor e um poeta, sobre a inexistência de Deus. O poeta, cujo nome significa Homeless, terá escrito um poema que humaniza Cristo e o torna numa personagem negativa, quando o que o editor, Berlioz, pretendia era um poema que denunciasse Cristo como  uma personagem inventada.

Esta conversa será interrompida por um estrangeiro, um homem que se revela um mágico, que afirma ter assistido à crucificação e conhecido Pilatos. Depois de relatar como Cristo terá sido encaminhado para a cruz, profetiza que Berlioz será decapitado por mulheres. E assim acontece, para espanto de Homeless, na mesma tarde, quando Berlioz escorrega e cai na linha do eléctrico, conduzido por uma mulher, perdendo a cabeça. Homeless endoidece e tenta denunciar o mágico como um estrangeiro sem permissão de permanência no país, responsável pela morte de Berlioz. Perdendo o rasto ao mágico, acaba por ser dado como maluco e internado num hospício. Este é apenas o primeiro de vários estranhos episódios.

Igor Kantorovitch

O mágico habita o apartamento de Berlioz conjuntamente com os seus cúmplices, um gato preto capaz de falar, um ex-mestre de coro, um assassino de garras e uma succubus. Mas não é apenas o apartamento do falecido que o mágico ocupa, influenciando também a organização literária de Berlioz: as pessoas que ocupam os cargos mais elevados vão entrando no hospício, e estranhos espectáculos de magia decorrem na sala de espectáculos. Nestes, mulheres trocam as suas roupas por outros trajes mais ricos descobrindo mais tarde estar nuas, ou um homem perde a cabeça, e recupera-a, mas com consequências.

Se na primeira metade do livro acompanhamos os acontecimentos em torno da organização literária e do hospício que nos permitem conhecer O Mestre, um historiador que terá escrito um livro em torno da crucificação de Cristo e de Pilatos; a segunda metade centra-se  em Margarita, uma jovem de poses elevadas mas vida vazia, que se terá apaixonado pelo Mestre. Desconhecendo que o apaixonado se encontra num hospício, para o encontrar aceita a proposta do mágico. Desta forma, utiliza numa noite de lua cheia, um creme rejuvenescedor, saindo a voar numa vassoura e transformando-se numa bruxa.

Igor Kantorovitch

As situações imprevistas são acompanhadas por  detalhes da época: a forma como os estrangeiros são encarados, com desconfiança; a economia fechada, que não permite a posse de dinheiro estrangeiro; ou os regulamentos que coordenavam a atribuição de apartamentos. De ambiente surreal, a história é caracterizada por episódios estranhos e satíricos assim como de imagens fortes: uma escadaria sem fim no interior de um  apartamento, uma mulher nua que atravessa a cidade voando num porco ou um gato de metralhadora em punho.

Esta semana (21.05.2010)

Esta semana a quantidade de críticas e comentários em blogs nacionais levou-me a considerar passar a fazer dois resumos semanais, um ao Sábado e outro à quarta. Se a quantidade se mantiver, provavelmente é isso que passarei a fazer.

De realçar que continuam a surgir críticas a O Evangelho do Enforcado, de David Soares e Se Acordar Antes de Morrer, de João Barreiros, e também o livro de Afonso Cruz, Os Livros Que Devoraram o Meu Pai. A livros de autores estrangeiros, podemos ler as críticas feitas a Usurper of the Sun de Housuke Nojiri ou The Catcher in the Rye de J. D. Salinger.

A Noite e o Sobressalto – Pedro Medina Ribeiro (I Dream in Infrared) – Rogério Ribeiro comenta o livro de Pedro Medina Ribeiro, um conjunto de sete contos com influências de Poe.

- Orgulho e Preconceito e Zombies – Jane Austen e Seth Grahame-Smith (Bela Lugosi is Dead)

- O Ciclope Espanhol – Rhys Hughes (A Lâmpada Mágica)

- Goor / A Crónica de Feaglar – Pedro Ventura (Google reproduzida em Correio do Fantástico)

- O Estranho Caso do Cão Morto – Mark Haddon (Estante de Livros) – uma história diferente, em torno de um menino autista que tenta descobrir o que aconteceu ao cão

- Treze à Mesa – Lorde Dunsany (A Lâmpada Mágica)

- Crepúsculo – a novela gráfica, vol. I – Stephenie Meyer e Young Kim (As Leituras do Corvo)

- O Evangelho do Enforcado – David Soares (Bela Lugosi is DeadFalling into infinity)

- El Superhéroe – José Vicente Ortuño (A Lâmpada Mágica)

- Marcada – P. C. Cast & Kristin Cast (Lydo e Opinado)

- O Mago – Raymond E. Feist  (Bela Lugosi is Dead)

- Crónicas Marcianas – Ray Bradbury (A Lâmpada Mágica)

- Dança com o Diabo – Sherrilyn Kenyon  (As Leituras do Corvo)

- Os Livros que Devoraram o meu Pai – Afonso Cruz (Estante de Livros) – mais uma crítica positiva ao livro que tanto pode ser lido por crianças, como por adultos

- Usurper of the Sun – Housuke Nojiri (Bela Lugosi is Dead) – crítica a um dos livros publicados pela Haikasoru, numa colecção organizada por Nick Mamatas

- O Piquenique Milenar – Ray Bradbury (A Lâmpada Mágica)

- Em Busca do Carneiro Selvagem – Haruki Murakami (Lydo e Opinado)

- Indomável – P.C. Cast e Kristin Cast (As Leituras do Corvo)

- Senhores da noite – Carla Ribeiro (Bela Lugosi is Dead)

- Meio-Dia Azul - Scott Westerfeld (Morrighan)

- O Feiticeiro de terramar – Ursula le Guin (Muito para ler)

- Se Acordar Antes de Morrer – João Barreiros (Correio do Fantástico e As Leituras do Corvo) – a crítica de Morrighan é publicada no Correio Fantástico

- As Incríveis Aventuras de Dog Mendonça e Pizza Boy - Filipe Melo, Pablo Parés (Bela Lugosi is Dead) – a BD publicada pela Tinta da China continua a dar que falar

- The Catcher in the Rye – J. D. Salinger (O Cantinho do Bookholic)

- The Forest of Hands and Teeth – Carrie Ryan (Floresta de Livros)

Para além das críticas e comentários a livros, em Correio do Fantástico é anunciado o atraso do Jornal Conto Fantástico, e continua a exploração de locais em Lisboa onde poderá ser agradável ler:

- Jornal Conto Fantástico atrasado (Correio do Fantástico)

- Jardim das Oliveiras – CCB (Falling into infinity)

Shelves (39)

Robert Silverberg é um dos autores mais prolíferos de ficção científica, sendo conhecido pela série Majipoor, ou por livros como Sailing to Byzantium, Enter a Soldier. Later: Enter Another, ou Nightwings. The Longest Way Home decorre num planeta distante da Terra, onde os seres humanos terão colonizado o planeta em duas vagas distintas, sendo que a segunda domina a primeira.

Apesar da má experiência com Heroes and Villains, de Angela Carter resolvei adquirir The Infernal Desire Machines of Doctor Hoffman, após várias críticas positivas.

Set in an unspecified Latin American country, the novel features Desiderio, a government minister in the main city, currently under attack by Doctor Hoffman’s reality distorting machines. Desiderio embarks on a journey to find Hoffman’s former physics teacher, eventually bringing him to Hoffman’s castle.

The End of Mr. Y de Scarlett Thomas conheceu já duas edições em língua portuguesa. De premissa estranha, parece-me um livro fantástico juvenil em torno de um livro amaldiçoado:

A cursed book. A missing professor. Some nefarious men in gray suits. And a dreamworld called the Troposphere? Ariel Manto has a fascination with nineteenth-century scientists—especially Thomas Lumas and The End of Mr. Y, a book no one alive has read. When she mysteriously uncovers a copy at a used bookstore, Ariel is launched into an adventure of science and faith, consciousness and death, space and time, and everything in between. Seeking answers, Ariel follows in Mr. Y’s footsteps: She swallows a tincture, stares into a black dot, and is transported into the Troposphere—a wonderland where she can travel through time and space using the thoughts of others. There she begins to understand all the mysteries surrounding the book, herself, and the universe. Or is it all just a hallucination? With The End of Mr. Y, Scarlett Thomas brings us another fast-paced mix of popular culture, love, mystery, and irresistible philosophical adventure.

Rosny aîné é o pseudónimo utilizado por Joseph Henri Honoré Boex, um dos escritores mais importantes da ficção científica francesa. As suas histórias do final do século XIX contém extraterrestres, espécies mutantes e vampiros com origem numa mutação genética. Algumas decorrem num tempo futuro, pós-apocalíptico. Para além de ficção científica, Rosny âiné escreveu alguma ficção pré-histórica, como Vamiré e A Guerra do Fogo, os dois únicos livros do autor que encontrei traduzidos para português.

Red Spikes é o título de um livro de contos da autoria de Margo Lanagan, o mesmo que escreveu Tender Morsels, um dos melhores livros de fantástico do ano 2009. Aproveitando-se dos elementos fantásticos para explorar e expor sentimentos, Red Spikes revelou-se, para mim, um fiasco. Como comentei num post isolado, a fórmula que funcionou em Tender Morsels por nos envolvermos com as personagens ao longo das páginas do livro, alienou-me completamente.

Segue-se O Grande Retrato de Dino Buzzati. Dino Buzzati tornou-se um dos meus autores favoritos com O Segredo do Bosque Velho, tendo também adorado O Deserto dos Tártaros, se bem que de forma totalmente diferente.

Se O Segredo do Bosque Velho consegue ser bastante distinto de O Deserto dos Tártaros, O Grande retrato torna-se bastante diferente de ambos pela forma como explora a premissa.

O Castelo dos Destinos Cruzados foi a minha última aquisição de outro autor de cujas obras gosto bastante – Italo Calvino:  em O Barão Trepador tinha-nos contado a história de um rapaz  que sobe às árvores para nunca mais retornar e em As Cidade Invisíveis imagina ou transfigura cidades.

A forma como O Castelo dos Destino Cruzados surgiu faz-me pensar que também este livro se destacará dos restantes:

Apliquei-me sobretudo a observar as cartas de tarot com atenção, com olhos de quem não sabe o que sejam, e a extrair delas sugestões e associações, a interpretá-las de acordo com uma iconologia imaginária. Quando as cartas alinhadas ao acaso me davam uma história em que eu reconhecia um sentido, punha-me a escrevê-la…

Eternidade é o nome do primeiro volume de uma série fantástica de Alyson Noel: Os Imortais. Centrando-se numa jovem de 16 cuja família terá sido vítima de um acidente, apresenta-nos seres de um mundo encantado onde ninguém morre:

Ever sees Damen and feels an instant recognition. He is gorgeous, exotic and wealthy, and he holds many secrets. Damen is able to make things appear and disappear, he always seems to know what she’s thinking – and he’s the only one who can silence the noise and the random energy in her head. She doesn’t know who he really is – or what he is. Damen equal parts light and darkness, and he belongs to an enchanted new world where no one ever dies.

Quase no final, Se Acordar Antes de Morrer, o livro de João Barreiros que reúne várias das suas melhores histórias. Um livro indispensável para quem aprecie ficção científica pura e dura, rodeada por um ambiente negro de sarcasmo e ironia.

Esqueçam os finais felizes e preparam-se para ser chocados com sátiras violentas a que poucos sobrevivem, enterrem as personagens da vossa infância, o Noddy e o Pai Natal.

Por último, impressionante pelo seu grafismo acizentado, Animal’Z. Num mundo devastado ecologicamente, a água torna-se um tesouro, e a única forma de sobrevivência é a luta individual longe dos núcleos urbanos.

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 611 outros seguidores