Contos Sobrenaturais – Carlos Fuentes

IMG_7918

Contos naturais (opinião mais detalhada) e Contos Sobrenaturais são os livros de contos de Carlos Fuentes que adquiri em conjunto. De aspecto gráfico pastante oposto, reflectem a temática das histórias que contem. Se em Contos naturais a maioria dos contos combina o quotidiano e o mundano, em Contos Sobrenaturais a temática é bastante mais obscura e até fantástica.

O livro começa com Chac Mool, uma história em torno da figura esculpida de um deus indio. Se o cristianismo terá sido tão bem aceite na realidade sul-americano decerto não há-de ter sido pela sua faceta pia e caridosa, mas sim pelos relatos dolorosos e sangrentos, tão semelhantes às cerimónios prestadas aos antigos deuses, caprichosos e malévolos. A aparentemente inocente figura revela-se um deus vivo que se vai apropriando do espaço físico e psicológico do dono da casa, até pouco restar.

Após esta fantástica abertura irónica, seguem.se outros contos que deambulam entre a realidade e a surrealidade, alguns mais evidentes que outros. De destacar O Robô Sacramentado onde a humanidade cria uma nova raça sapiente que Deus se apressa a testar, conferindo-lhes a última característica que os separa de entidades reais – um nome. Interessante na dissertação consequente que realiza em torno das máquinas inteligentes, coloca a divindade num papel burocrático e desenrola-se (novamente) num final irónico.

Mas nenhum outro conto volta a tocar na temática tecnológica. Várias são as histórias de fantasmas, de onde destacaria Aura. De desenrolar algo previsível (o autor vai deixando algumas pistas óbvias), centra-se num jovem que vê, numa oferta de trabalho uma possibilidade de futuro. O anúncio de jornal promete uma boa remuneração a alguém que, tendo capacidades de historiador, fale fluentemente francês. O objectivo? Re-escrever as histórias de um militar há muito defunto, mas ainda recordado pela viúva enferma.

Entre plantas que crescem entre as nádegas de um homem, ou fantasmas que permanecem em casas abandonadas, este conjunto de histórias está carregado de ironia, usando o surreal como ferramenta para desenvolver os intuitos do autor. Ainda que possua algumas histórias bastante simples, na sua maioria são mais interessantes do que as apresentadas em Contos Naturais, por não constituirem retratos mundanos, mas histórias sem limite, imaginativas e inteligentes.

Outcast Vol.1 – Kirkman & Azaceta

IMG_7287

Outcast é uma das mais recentes criações de Kirkman, conhecido pela série The Walking Dead. Apesar de recente, Outcast já tem os direitos vendidos para a adaptação à televisão.

O ambiente é negro. E com isto estou-me a referir não só ao quão soturnas são as personagens, mas aos vários episódios passados na quase total escuridão. É que os possuídos não suportam muito bem a luz e, os possuídos… parecem estar em todo o lado.

IMG_7279

Traumatizado por vários encontros com demónios, Kyle vive sozinho, num misto de depressão e apreensão, Não de violência. Os vários acontecimentos que lhe marcaram a vida levaram-no a fechar-se e a limitar o contacto com os que o rodeiam. Até porque muitos pensam que terá morto a filha de pancada.

Após retornar à vila onde viveu longos anos e onde todos o conhecem (e murmuram nas suas costas) Kyle apenas deseja alguma paz – algo que será impossível quando o padre conhece o seu poder exorcista e deseja tratar os possuídos, começando por um miúdo que se tornou bastante violento.

IMG_7265

Mas se alguns possuídos ficam curados com o ritual exorcista do padre, ou os poderes de Kyle, outros escondem-se em plena vista, com comportamentos pouco suspeitos, reagindo apenas com dor ao toque de Kyle. Que serão estes possuídos?

Transpirando mistério e inquietação, a acção é neutralizada pela apatia contagiante da personagem principal que anestesia o leitor para os acontecimentos. De tal forma, que, no final do volume, ficamos com a sensação de que pouco aconteceu – o que é estranho, considerando que o volume reúne seis fascículos.

A história que se encontra neste primeiro volume coloca diversas questões, mas não resolve nenhuma, pelo que é suficiente para intrigar, mas talvez não seja o suficiente para cativar e convencer a ler os próximos volumes.

Resumo de Leituras – Agosto

IMG_7313

93 – Wolverine: Origem Vol.1 – Paul Jenkins – Volume introdutório, explora os primeiros momentos da personagem, enquanto criança enferma e doente, numa casa de contrastes emocionais – um avô de antiga mentalidade que instiga à brutalidade e uma mãe distante e nunca vista. No meio deste ambiente decadente, uma outra criança orfã e um pouco mais velha, é trazida para fazer companhia ao rapaz, criança que terá um papel decisivo na transformação da personagem.

94 – Outcast Vol.1 – Robert Kirkman – De ambiente negro, este volume inicia uma história misteriosa e inquietante onde a apatia da personagem principal, traumatizada por vários acontecimentos na infância, contagia o leitor, conferindo um sentimento de anestesia perante a violência de algumas cenas – talvez por ser mais subtil, e termos conhecimento dos acontecimentos sem necessariamente os visualizarmos, a sensação com que ficamos é a de que não acontece muito, sendo suficiente para intrigar mas talvez não para viciar e cativar o leitor para os próximos volumes.

95 – Wylding Hall – Elizabeth Hand – Uma banda folk reúne-se numa casa para produzir o próximo álbum. Com alguns acontecimentos traumatizantes pelo caminho, esperam encontrar na casa a paz que lhes permita continuar o seu percurso artístico, mas a casa antiga, e construída em camadas ao longo dos tempos, é um labirinto infindável e misterioso que esconde algumas surpresas.

96 – Clockwork Lives: The Bookseller’s Tale – Kevin J. Anderson – Fazendo parte de um volume maior de histórias interligadas, esta retrata o sonho de qualquer um que goste de ler livros, mostrando uma livraria que possui um portal onde se pode transitar para outros universos paralelos – e explorar nas livrarias das outras realidades, os livros que lá existem, fornecendo um sem fim de possibilidades de leitura. Mas claro que a história é um pouco mais do que isto, um conto fantástico e apaixonante.

O Diabo Coxo – José Viale Moutinho

IMG_6952

Esta colecção Fantástica da Colares Editora tinha-me passado totalmente ao lado até a ter visto na Leituria, por ocasião do evento À volta d’A Guerra dos Tronos. Todos de capa vermelha e imagem escassa na capa, possuem alguns títulos bastante conhecidos entre outros que não me recordo de alguma vez ter visto referências. Assim, entre o Fantasma de Canterville de Oscar Wilde e O Covil de Franz Kafka encontramos este O Diabo Coxo de José Viale Moutinho ou Os canibais de Álvaro do Carvalhal.

Assim, foi com grande curiosidade que peguei em O Diabo Coxo, percebendo que o livro contem várias entradas, algumas interligadas, outras soltas, que oscilam entre o cariz popular dos contos rurais e o espírito mundano da realidade que nos circunda no dia-a-dia. Algumas entradas contêm histórias inteiras constituindo pequenos contos, enquanto outras, mais curtas são pedaços de ironia pura ou apenas pensamentos para levar a algo mais.

IMG_6964

O sonho daquele escaravelho da batata de Barroso era transformar-se em escaravelho da batata-doce da ilha da Madeira. É que os escaravelhos também têm sonhos assim e confiam-nos a quem menos se espera, quando vou ao mercado com a tia Elvira.

Livro curioso e saltitante, pode ser lido de entrada em entrada, existindo poucas ligações entre cada uma. Tenho a dizer que nem todas as entradas agradaram, seja por conterem pensamentos que não me levaram a lado algum, seja por serem demasiado simples. Ainda assim, outras passagens são simplesmente sublimes pela carga irónica e pelas memórias que evocam.

IMG_6990

Eventos: Ciclo ‘Hammer Horror’ no Clara Clara

hammer

A decorrer nos meses de Agosto e Setembro em Lisboa, mais propriamente no Campo de Santa Clara, este ciclo gratuito de cinema traz, a cada quarta-feira, pelas 22h, vários clássicos de horror. Atenção que os filmes terão legendas em inglês. Eis a descrição oficial do evento:

Nos anos 30, os estúdios da Universal definiram os grandes monstros do cinema de terror, do Drácula ao Frankenstein, o Lobisomem, o Fantasma da Ópera e o Homem Invisível, criando uma linguagem e iconografia que ainda hoje marcam e assombram o imaginário cinematográfico.

Vinte anos depois, em 1958, a britânica Hammer Film Productions lança a sua primeira adaptação da história de Frankenstein, “The Curse of Frankenstein” e, ao pegarem no legado da Universal, transformam todo aquele mundo de horrores de fortes contrastes a preto-e-branco em contos visualmente sumptuosos de cores expressivas e arrebatamento sensual. O filme foi um sucesso, dando origem a duas décadas de sequelas e variações sobre todo o tipo de personagens horríficas, mas com Frankenstein e Dracula como “heróis” mais visitados. Este pequeno ciclo pretende mostrar os inícios desta fase mítica na história do estúdio, e também alguns títulos essenciais produzidos nos anos seguintes.

E aqui fazemos também a nossa sincera homenagem a Christopher Lee, um dos maiores actores de todo o sempre, que nos deixou há poucas semanas. Ele foi o icónico Drácula da Hammer, mas também o monstro de Frankenstein e a Múmia (entre tantos e variadíssimos papéis numa carreira com mais de 280 papéis), filmes que vamos poder ver aqui no Clara Clara.

E o programa

19 Agosto
THE CURSE OF FRANKENSTEIN
de Terence Fisher, com Peter Cushing, Christopher Lee, Hazel Court
1957, UK, 82 minutos

26 Agosto
HORROR OF DRACULA
de Terence Fisher, com Peter Cushing, Christopher Lee, Michael Gough
1958, UK, 82 minutos

2 Setembro
THE MUMMY
de Terence Fisher, com Peter Cushing, Christopher Lee, Yvonne Furneaux
1959, UK, 86 minutos

9 Setembro
THE CURSE OF THE WEREWOLF
de Terence Fisher, com Clifford Evans, Oliver Reed, Yvonne Romain
1961, UK, 82 minutos

16 Setembro
DRACULA HAS RISEN FROM THE GRAVE
de Freddie Francis, com Chrstopher Lee, Rupert Davies, Veronica Carlson
1968, UK, 92 minutos)

23 Setembro
FRANKENSTEIN MUST BE DESTROYED
de Terence Fisher, com Peter Cushing, Veroniac Carlson, Freddie Jones
1969, UK, 98 minutos

Últimas aquisições

IMG_6563

E estas foram as mais recentes aquisições, quase todas aproveitando as promoções da Bertrand de pelos menos 20% em todos os livros. O primeiro, Os sete loucos é um dos recentes lançamentos da Cavalo de Ferro que tem estado no meu radar há alguns meses:

Em risco de ir parar à prisão por ter desfalcado a empresa onde trabalha, abandonado pela mulher e frustrado nas suas pessoais ambições de genial inventor, Remo Erdosain, angustiado pelo rumo que a sua vida tomou, procura a solução dos seus problemas nas ruas mal-afamadas de Buenos Aires. É nestas que entra em contacto com um obscuro grupo de conspiradores que planeia instaurar no país um novo regime político que sirva os seus próprios interesses, uma combinação ideológica de populismo, comunismo e fascismo, assente na mentira e financiado pela gestão de
uma rede de bordéis.

Publicado em 1929, em vésperas da ditadura argentina, que antecipou de forma profética, Os sete loucos é considerado um dos romances que inauguram a moderna literatura argentina e fonte de inspiração para autores como Cortázar, Sábato e Onetti. Uma obra-prima literária de visionarismo e ironia, uma «viagem ao fim da noite» em tons sul-americanos.

 

IMG_6643

Por sua vez, O que esperam os macacos de Yasmina Khadra possui uma capa repelente (não pela capa em si, mas por se assemelhar à das obras românticas de tom repetitivo). O facto de ser um livro muito badalado não auspicia uma grande obra, mas tanto o título como a sinopse convenceram-me a dar-lhe uma oportunidade:

Uma jovem estudante é encontrada assassinada na floresta de Baïnem, perto de Argel. Uma mulher, Nora Bilal, é encarregada de conduzir a investigação, longe de pensar que a sua rectidão é um perigo mortal num país entregue aos tubarões de águas turvas.”Que Esperam os Macacos” é uma viagem pela Argélia de hoje onde o Mal e o Bem se sentem constrangidos no meio dos malefícios naturais dos homens.

IMG_6650

A Misteriosa Mulher da Ópera relembrou-me, em conceito, O Caso do Cadáver Esquisito, publicado pela Prado onde, também, vários autores se juntaram para contar uma história. Tendo ambos a participação de Afonso Cruz, resolvi experimentar:

Um desafio. Sete autores. Catorze mãos. Sete personagens inesquecíveis. Uma única história. Uma trama arrebatadora que contém de tudo, desde crimes misteriosos, o fantasma de uma avó violinista, flûtes de champanhe, um gato persa chamado Psiché que por vezes se vê obrigado a fazer de pêndulo de Foucault, uma caixa de violino suspeita de assassinato, uma taberna onde se canta o fado em Xabregas, e amor, amor em catadupas, uma grande paixão, desencontros terríveis, equívocos inexplicáveis, reencontros inesperados. A aventura vai das avenidas de Paris, à Rua Heróis de Quionga, ao Teatro Nacional de São Carlos, ao cais de Xabregas e a um cacilheiro que parte para Veneza deixando um cadáver para trás.

O último do conjunto de novas aquisições é o segundo volume de Tony Chu, publicado em Portugal pela G Floy, em preço e formato atraente.

Junho de 2015

Este mês as críticas e artigos são poucos, mas ainda assim existem alguns que se destacam.
Acacia_Vozes_da_Profecia_BP

Lançamentos nacionais relevantes

O Feiticeiro e a bola de cristal – Stephen King – Bertrand Editora;

Acácia – As vozes da profecia – David Anthony Durham – Saída de Emergência;

A Guerra dos Tronos Vol.4 – George R. R. Martin – Planeta Editora;

Origem Vol. 1 – Paul Jenkins, Andy Kubert, Richard Isanove – G Floy;

O Grande Bazar e outras histórias – Peter V. Brett – Asa;

O Mundo da Guerra dos Tronos – George R. R. Martin, Elio M. Garcia e Linda Antonsson – Saída de Emergência;

Tony Chu Vol. 2 – John Layman e Rob Guillory – G Floy;

Wayward Pines – Revolta – Blake Crouch – Suma de Letras;

seveneves_

Críticas interessantes

Ficção científica

Seveneves – Neal Stephenson – Intergalacticrobot;

Duna – Frank Herbert – Nuno Ferreira;

Terrarium – José Barreiros e Luís Filipe Silva – D’Magia;

Megalon #63 – Especial: Ficção científica em Portugal – Intergalacticrobot;

bebes agua_

Fantasia

The Colour of Magic – Terry Pratchett – Que a Estante nos Caia em Cima;

O punhal do soberano – Robin Hobb – Nuno Ferreira;

A espada de Shannara – Terry Brooks – Leituras do corvo Fiacha;

O grande Bazar e outras histórias – Peter V. Brett – Uma biblioteca em construção;

Os bebés da água – Charles Kingsley – Deus me Livro;

Banda desenhada

Crumbs – Vários autores – Que a Estante nos Caia em Cima;

Matiné – Magno Costa, Marcelo Costa e Márcio Moreno – aCalopsia;

Outros

Número zero – Umberto Eco – Deus me Livro;

Sonho Febril – George R. R. Martin – A Lâmpada Mágica;

Outros artigos

– Um ano no Eliseu – Máquina de escrever;

– Contos de Lydia David lidos por Samantha Velho – Contos não vendem;

– Entrevista a Pedro Marques – Amazing Stories;

– Um Mundo Optimista – Entrevista a David Anthony Durham – Saída de Emergência;

– Ric Hochet não podia ficar a descansar – Máquina de escrever;

– No palácio “assombrado” de Sintra há “fantasmas” – DN;

– Heróica é uma fanzine só com heróis portugueses – Público;

Eventos nacionais

– David Brin Lecture – Rascunhos;

– À volta da Guerra dos Tronos – Viagem a Andrómeda [mini];

– Bruce Sterling – Admirável Mundo Novo;

– Recordar os Esquecidos – Rascunhos;

Resumos mensais anteriores

Maio 2015

Março 2015

Abril 2015

Passatempo – As Atribulações de Jacques Bonhomme – Resultado

atribulacoes

De autoria portuguesa, este livro contem várias histórias que quase poderiam acontecer nas nossas ruas, de amigos traídos e boas acções recompensadas com tragédia. Esqueçam o optimismo, isto é a selva da vida real, tudo é negro e poucas vezes a história acaba bem (para os interessados, podem consultar uma opinião mais completa aqui).

Passemos então ao resultado do passatempo! E o sorteado foi:

resultado bonhomme

Resultado _2

 

 

Resumo de leituras – Junho (3)

IMG_6468

 

81 – Os bebés da água – Charles Kingsley – história fantástica que é simultaneamente uma paródia à recepção das teorias de Charles Darwin e uma crítica social. Para além do excelente texto há que destacar a qualidade da edição ilustrada que é de encher os olhos;

82 – Contos naturais – Carlos Fuentes – várias histórias que decorrem essencialmente na América do Sul que, ainda que não tenham grande ligação entre elas, exploram, na sua maioria, a condição humana em situações irónicas de contraste social, sem necessidade de cair no pior do ser humano;

83 – Sr. Bentley, o Enraba-passarinhos – Ágata Ramos Simões – história peculiar de uma personagem infâme, capaz das piores travessuras e burlices, sem receio de enganar velhinhas e saltar em cima das campas. Também nesta edição é de destacar o excelente aspecto gráfico;

84 – The very best of Kate Elliott – conjunto de várias histórias de fantástico e ficção científica onde se destaca a intenção de representar as mulheres nas histórias, distorcendo os seus papéis habituais. Entre alguns bons contos existem outros que não apreciei tanto, mas o sentimento que fica em quase todos eles é de estranheza, e de ter lido algo diferente e interessante;

 

Maio de 2015

Aqui fica mais um resumo mensal sobre ficção especulativa em Portugal. Esta listinha resume o que achei mais interessante este mês em solo nacional (ou sobre projectos portugueses). Claro que se resume ao que tive acesso, existindo de certeza mais artigos que poderiam cá constar. Convido a deixarem novos blogs a seguir ou outros artigos que tenham achado interessantes.

estamos todos_

Lançamentos Nacionais Relevantes

Este foi um bom mês para os lançamentos nacionais:

O Grande Bazar – Peter V. Brett – Asa;

Número zero – Umberto Eco – Gradiva;

Os bebés de água – Charles Kingsley – Tinta-da-china;

A pedra das águas – Terry Goodkind – Porto Editora;

A espada de Shannara – Terry Brooks – Saída de Emergência;

Estamos todos completamente fora de nós – Karen Joy Fowler – Clube do autor;

O Dragão de gelo – George R. R. Martin – Gailivro;

Viagens de Chapéu – Susana Cardoso Ferreira – Oficina do livro.

Críticas interessantes

wayward_

Ficção científica

Dreaming 2074 – Vários autores – Intergalacticrobot;

The Lifecycle of Software Objects – Ted Chiang – Que a Estante nos Caia em Cima;

Wayward Pines – Blake Crouch – Livros, livros e mais livros;

O Guardião de Memórias – Lois Lowry – Folhas do Mundo;

Over the top – Vários autores – Intergalacticrobot;

Mais que humano – Theodore Sturgeon – Que a Estante nos Caia em Cima;

insonho 2

Fantasia

Insonho: Durma bem – Vários autores – Que a Estante nos Caia em Cima;

Monstros fantásticos e onde encontrá-los – Newt Scamander – Deus me Livro;

A Ironia e Sabedoria de Tyrion Lannister – George R. R. Martin – Leituras do Corvo;

As Terras Devastadas – Stephen King – Nuno Ferreira;

A Lâmina – Joe Abercrombie – Livros, livros e mais livros;

O Dragão de gelo – George R. R. Martin – Deus me Livro;

Solomon – Carlos Pedro – aCalopsia;

Sete minutos depois da meia-noite – Patrick Ness – Uma Biblioteca em Construção;

Roy Just Wants to Have Fun – Victor Frazão – Uma Biblioteca em Construção;

Dias de sangue e glória – Laini Taylor – Deus me Livro;

Deixa-me entrar – John Ajvide Lindqvist – Livros, livros e mais livros;

Universos Literários – Vários autores – Floresta de Livros;

O Gigante Enterrado – Kazuo Ishiguro – Deus me Livro;

saga_

Banda desenhada

Mort Cinder – Héctor Oesterheld – Intergalacticrobot;

Bando de dois – Danilo Beyruth – As leituras do Pedro;

Saga (Vol. 1 e 2) – Brian Vaughan – Leituras de BD;

O Cavaleiro de Westeros – George R. R. Martin – Leituras do Corvo;

O Long Halloween – Jeph Loeb – Que a Estante nos Caia em Cima;

Fatale (Vol. 2) – Ed Brubaker e Sean Philips – As leituras do Pedro;

O livro do Mr. Natural – Robert Crumb – Intergalacticrobot;

alquimista

Outros

As Cidades Invisíveis – Italo Calvino – Nuno Ferreira;

A Alquimista das Cores – Aimee Bender – As Leituras do Corvo;

fran

Outros Artigos

– Quem tem medo de Palmer Eldritch – Máquina de Escrever;

– O Templo do Espírito Santo – Flannery O’Connor – Contos não Vendem;

– “Frankenstein” na Quinta da Regaleira – Câmara Municipal de Sintra;

– Entrevista a Lauren Beukes – Jornal i;

– Hazul por Hazul – Diário de Notícias;

– Reportagem Antena 1 sobre banda desenhada – RTP;

Science Fiction and Fantasy Books at Bivar Bookshop;

– 17 Imagens que colocam Portugal no Centro da Arte Urbana – Green Savers;

Eventos

– Outras literaturas: Ficção científica – Intergalacticrobot;

– Sustos às sextas V – Intergalacticrobot;

– Feira do Livro do Centro de Recursos Poeta José Fanha – Intergalacticrobot;

– XI Festival Internacional de BD de Beja – Leituras de BD – Fotoreportagem e Opinião;

– Tolkien: Constructor de Mundos – Viagem a Andrómeda [mini];

Recordar os Esquecidos;

Resumos mensais anteriores

Fevereiro 2015

Março 2015

Abril 2015

The Supernatural Enhancements – Edgar Cantero

1 supernatural enhancements

De premissa aparentemente simples, a história inicial que se assemelha a um simples conto de casa assombrada, transforma-se, apresentando várias camadas intrincadas com maior grau de complexidade e culminando num final muito movimentado e inesperado, onde tudo se interliga.

A história inicia-se quando um homem jovem, A., herda uma fortuna de um parente desconhecido na América. A herança inclui, também, uma velha mansão. Claro que A. deixa a vida monótoma que conhecia na Europa e viaja, com uma jovem amiga para a sua nova propriedade. Mas não pensem que os jovens se dedicam à vida fútil de milionários. Muito pelo contrário, ambos se dedicam a aproveitar o dia-a-dia, mas sem extravagâncias.

Cedo se percebe que a mansão terá pertencido a um estudioso envolvido em experiências paranormais. Em pouco tempo A. começa a apresentar os mesmos sintomas que o familiar suicida, influenciado pelo fantasma da casa, e por sonhos demasiado realistas. Felizmente, a amiga que o acompanha parece imune a estas influências sobrenaturais e, apesar de muda, salva-o de algumas situações desastrosas.

Mas não pensem que a história se resume a assombros e pesadelos – entre os papéis do tio encontram-se cartas encriptadas que levam os dois jovens a explorar a propriedade, descobrindo quartos escondidos e objectos de fortes e desconhecidos poderes. Para além destes puzzles, percebem que o anterior dono da casa pertencia a uma sociedade secreta em que os membros viajam todos os anos para os mais diversos locais.

A história é contada intercalando vários relatos – desde páginas dos diários de ambos, a cartas que escrevem a uma tia, bem como descrições baseadas em câmaras ocultas espalhadas pela casa. Quem as visualiza? Desconhecemos. Tudo isto contribui para o adensar do mistério que parece esmorecer no meio, apesar de serem lentamente fornecidas pistas fulcrais para o desfecho.

Entre puzzles de criptografia e a exploração dos estranhos objectos da casa, a história apresenta fragmentos sobrenaturais fornecendo, aos dois jovens, desafios mentais e emocionais progressivamente tão desafiantes e esgotantes, que começam a temer pela própria sanidade senão pela própria vida.

No final percebemos as razões que os fizeram ficar, bem como o papel que desempenham na casa e consequentemente na sociedade secreta que nela se sedia. Descobrem-se alguns mistérios num final carregado de reviravoltas inesperadas que destroem, num fôlego, todas as expectativas do leitor. Não que a história careça de pontos fracos – o enredo a meio parece tornar-se inesperado ainda que forneça pistas para o restante desenvolvimento, e algumas revelações poderiam ter sido feitas durante a história para garantirem o interesse do leitor ao longo de toda a narrativa.

Ainda assim, quando o enredo se fecha é de tirar o fôlego pela quantidade de camadas que se foram desenvolvendo sem que o leitor se tenha apercebido e a história aparentemente simples transforma-se, rapidamente, em algo mais.

Eis comentário no meu péssimo inglês:

An apparently straight story about a haunted house transforms itself into several intricate and encrypted stories with unexpected layers of complexity. The story begins when a young man inherits a house from a long lost American relative along with an unaccounted wealth. After some changes, the young man (always referred and A.) moves to the house with a mute female friend.

Ghosts and strange vivid dreams start to haunt A., who follows the suicidal tendencies of the deceased. Fortunately he is not alone in the house and together they start exploring the house secrets, finding hidden chambers and strange powerful orbs – an overwhelming worldwide maze. With some supernatural splashes the story develops mental and emotional challenges with a restless and surprising progress.

Resumo de Leituras – Maio 2015 (2)

IMG_5617

70 – Saga – Brian K. Vaughan (Vol.2) – Se o volume anterior tinha sido muito rico em violência e carregado de conceitos novos, este é um volume em que a velocidade acalma, e nos dá a conhecer um pouco mais das personagens que enfrentam agora um pequeno drama familiar. Divertido, leve, e interessante, uma série na qual aguardo ansiosamente pelos próximos volumes;

cities and thrones

71 – Cities and Thrones – Carrie Patel – Apesar de constituir o segundo de uma saga fantástica, lê-se bem isoladamente, apresentando uma cidade estado que foi tomada por uma revolução. A anterior rígida estrutura hierárquica, dominada pelos unhas brancas (característica da aristocracia que se pode dar ao luxo de manter a mãos arranjadas) é substituída por um grupo revolucionário que poderá não estar preparado para aguentar o dia-a-dia de uma grande cidade. Centrando-se demasiado em duas personagens, possui longos períodos parados que, não criando suspense, pouco acrescentam à história. Tratando-se de uma cópia fornecida pela editora, o comentário mais completo apenas será publicado na data do lançamento, início de Julho;

72 – O Homem Corvo – David Soares – Conto infantil de tom negro que prima tanto pela qualidade gráfica como pela qualidade da história, curta e bem concebida (será publicado comentário mais longo nos próximos dias).

Assim foi: Sustos às sextas (Sessão de 15 de Maio)

sustos 1

Foto retirada da página oficial do Evento

À entrada esperavam-nos árvores aparentemente fantasmagóricas – grandes esculturas que a parca iluminação fazia alongar os ramos, em assombrosas sombras de braços longos – tudo apropriado ao evento que se seguia, a última sessão da primeira temporada dos Sustos às Sextas, que tem ocorrido mensalmente.

IMG_5383

Depois da usual visita às salas de exposição, que desta vez continuam aquosas e fantásticas obras de arte, eis que se inicia a sessão, com um pequeno resumo de todo o ciclo, onde se realçaram as várias vertentes do evento (desde a música, ao teatro, passando pela literatura e pelo cinema) – um pequeno resumo que recorda a necessidade de existirem eventos diferentes, fora dos tradicionais moldes e temáticas.

5

Foto retirada da página oficial do Evento

E eis que se inicia a apresentação de Rogério Ribeiro que seguiu a divergência do sobrenatural e da ciência ao longo das últimas décadas, onde o moralismo mais fechado da ditadura portuguesa afastou o tema espiritismo dos circuitos da normalidade, ainda que, na literatura, tenham continuado associados, principalmente nos mais conhecidos clássicos do género.

2

Depois da leitura do conto Aniversário, vencedor do Concurso Literário de Contos de Terror, seguiu-se o Questionário de Terror que se tornaria um dos momentos mais divertidos do evento pela interacção entre as equipas. Depois de uma animada disputa pelo título os vencedores foram dois especialistas no género, David Soares e Gisela Monteiro.

Notou-se a vontade e o esforço dos organizadores, mas essencialmente o prazer, em apresentar temas e vertentes variadas do Horror, com especial destaque para o trabalho de vários portugueses.Agora é aguardar que haja oportunidade para uma segunda temporada do Evento ao qual já nos tínhamos habituado!

Eventos: Relembrando a programação deste fim-de-semana

15 de Maio – Outras Leituras – Painel de Banda desenhada

15 de Maio – Sustos às Sextas

16 de Maio – Outras Leituras – Painéis de policial e Ficção científica

E o fim-de-semana começa com o Painel de Banda Desenhada, a decorrer na sexta na Gulbenkian, que conta com a presença de Anton Kannemeyer (África do Sul), Marcelo D’Salete (Brasil) e Posy Simmonds (Reino Unido). Tenho a confessar que os meus conhecimentos do género não são suficientes para reconhecer os nomes, mas pelo que vi em cada uma das páginas que encontrei, fiquei interessada.

A sexta continua com Sustos às sextas, a última sessão deste ciclo (será que existirá outro?) que conta com a participação de Rogério Ribeiro, um dos organizadores do Fórum Fantástico. Será, ainda, lido o conto vencedor do concurso e está previsto um quizz de Terror.

Depois de uma entrada animada no fim-de-semana, é a vez de continuar no Sábado, com os painéis de Policial e de Ficção Científica. No meu caso interessa-me mais o de FC que conta com a participação de João Barreiros, Fábio Fernandes (Brasil) e Lauren Beukes (África do Sul). De destacar a autora que já foi discretamente publicada em português (As Raparigas Cintilantes).

Abril de 2015

Aqui fica mais um resumo mensal sobre ficção especulativa em Portugal. Esta listinha resume o que achei mais interessante este mês em solo nacional (ou sobre projectos portugueses). Claro que se resume ao que tive acesso, existindo de certeza mais artigos que poderiam cá constar. Convido a deixarem novos blogs a seguir ou outros artigos que tenham achado interessantes.

gigante 2

Lançamentos Nacionais Relevantes

Talvez por causa da proximidade da Feira do Livro, ou simplesmente coincidência, este foi um bom mês para a ficção especulativa

O Gigante Enterrado – Kazuo Ishiguro – Gradiva;

O Homem do Castelo Alto – Philip K. Dick – Saída de Emergência (é uma nova edição);

Dias de sangue e Glória – Laini Taylor – Porto Editora;

Bestiário – Julio Cortazar – Cavalo de Ferro;

A Música do Silêncio – Patrick Rothfuss – Asa;

Fatale Vol.2 – G Floy;

Saga Vol.2 G Floy;

long2

Críticas interessantes

Ficção científica

Continuam a ser poucos os que criticam SF, mas eis alguns relevantes:

The New Atlantis – Ursula K. Le Guin – Nuno Ferreira;

The Long Tomorrow – Leight Brackett – Intergalacticrobot;

Seventy-two Letters – Ted Chiang – Que a Estante nos Caia em Cima;

Contos vários Fantasy&Co – Tales of Gondwana – estão a ser comentados vários dos contos disponíveis gratuitamente, alguns de autores já conhecidos de antologias portuguesas como Ricardo Dias, Carina Portugal ou Pedro Cipriano;

Behold the Man – Michael Moorcock – Intergalacticrobot;

insonho 3

Fantasia

De realçar o aparecimento contínuo de livros de autores portugueses:

A segunda vinda de Cristo à Terra – João Cerqueira – Uma Biblioteca em Construção;

Insonho: Durma bem – Vários autores – Intergalacticrobot;

O Lobatruz e outras desventuras – Judith Nogueira – Deus me Livro;

Bons Augúrios – Neil Gaiman e Terry Pratchett – Nuno Ferreira;

A cada dia – David Levithan – Floresta de Livros;

A Música do Silêncio – Patrick Rothfuss – Uma Biblioteca em Construção;

Coisas frágeis – Neil Gaiman – Nuno Ferreira;

mucha 2

Banda desenhada

Mucha – David Soares – Intergalacticrobot;

A Metrópole Féerica – José Carlos Fernandes – aCalopsia;

Le Confesseur Sauvage – Philippe Foerster – As Leituras do Pedro;

A Arte de Voar – Altarriba e Kim – Intergalacticrobot;

Comprimidos azuis – Frederik Peeters – Leituras de BD;

Em Busca de Peter Pan – Cosey – As Leituras do Pedro;

Moonhead and the Music Machine – Andrew Rae – Máquina de escrever;

Outros

Os que não me parecem encaixar directamente em nenhuma das categorias anteriores:

História Universal da Infâmia – Jorge Luís Borges – Deus me Livro;

Swan song – Robert McCammon – Intergalacticrobot;

sdom 2

Outros Artigos

Estranhos são os dias em que estou a adicionar uma ligação ao Correio da Manhã…

Colecção Universo Marvel – Que a Estante nos caia em cima;

Um desabafo e uma bela colecção de banda desenhada – Caderião Voltaire;

Bairro problemático na periferia de Lisboa vira galeria de Arte – Conexão Lusófona;

Tracking with close-ups (7) – Viagem a Andrómeda – e porque o título diz muito pouco, fala-se de Terry Pratchet;

A Ficção de ideias de Ted Chiang – Que a Estante nos caia em cima;

Corrida infestada de Zombis em Sintra – Correio da Manhã;

Muitos poucos dedos de conversa sobre cinema de forma quase nada informada – Ficções Distópicas – Que a Estante nos caia em cima;

Luís Corredoura galardoado com um encouragement award – Jornal de Mafra;

Eventos

Sustos às sextas – espreitem também a perspectiva em Intergalacticrobot, bem como os vídeos em Cadernos de Daath,

Animacomics 2015 – Intergalacticrobot, aCalopsia;

Festival In – Intergalacticrobot – as coisas interessantes que se puderam ver na FIL, ficção científica tornada realidade;

Recordar os Esquecidos.

Resumos mensais anteriores

Janeiro 2015

Fevereiro 2015

Março 2015

Série de links interessantes

steampunk pub romania

Bar steampunk – Romania

E existe alguma razão para que estas compilações se iniciem por diversas vezes com o tema Steampunk – o cruzamento das engenhocas com qualquer estilo originam belíssimos espaços e peças de arte. Neste caso trata-se de um bar na Romania. No artigo podemos ver que, entre mesas toscas e quadros de cavaleiros com goggles, se encontram zeppelins a servir de candeeiro, transportes aquáticos semelhantes a polvos, e máscaras robóticas com engenhocas de roldanas.

coelho

Esculturas surrealistas de Ellen Jewett – clicar na imagem para visualizar artigo e outras esculturas

Mudando totalmente de estilo,esta delicada escultura é apenas uma das muitas que podem visualizar no artigo sobre a arte de Ellen Jewett. Surrealistas e pouco densas, como que recordando um sonho ou uma mistura do essencial dos corpos com a imaginação, a maioria das esculturas junta partes de mais de um animal ou objecto, resultando em fantásticas peças mesmerizantes. Caso estejam curiosos, as peças estão à venda na galeria oficial da artista, desde preços acessíveis (65€) a proibitivos (2 500€).

wire-sculptures-richard-stainthorp-3

Menos naturais e mais metálicas, mas igualmente fantásticas, são as esculturas de Richard Stainthorp. Explorando principalmente a figura humana em transfigurações fantasiosas de imensa fluidez, as peças conseguem ser fabulosas. Apesar da uniformidade em material e cor possuem uma estranha vivacidade.

Eis, outros artigos sobre arte fantástica, bastante interessantes:

Fantast in Focus: Daniel Merriam – imagens espectaculares carregadas de arabescos que transformam qualquer estrutura banal em algo espectacular;

Salvador Dali illustrates Alice in Wonderland – em 1969 o artista terá realizado 12 gravuras para uma versão ilustrada do livro, cada uma mais espectacular do que a anterior.

legendarylands_umbertoeco

Agora para um tema mais literário – alguém recorda o fantástico Baudolino de Umberto Eco? Um livro passado em terras imaginárias com animais míticos, tudo envolto em tropelias de mentiroso? Bem, eis a razão pela qual me recordei desta obra – Legendary Lands, também de Umberto Eco, explora mapas de sítios imaginários e apresenta dissertações sobre a nossa atracção por estes temas. Neste artigo podem ver um pouco mais do que nos espera com a leitura. Continuando com terras inventadas baseadas na realidade, aconselho a leitura deste artigo – Fantasy Worlds that break history’s back. Aqui encontram uma pequena dissertação sobre a transfiguração da história e da realidade.

E entre os artigos que mais gosto de manter, encontram-se sempre algumas listagens de livros, por títulos curiosos:

13 Fantasies Inspired by Mythology from the British Isles – esta pequena lista possui alguns livros óbvios como Mythago Wood de Robert Holdstock, mas também obras menos conhecidas que valerá a pena explorar para quem gosta deste género;

Five books that are also labyrinths – novamente pela TOR.com, um curtíssimo conjunto que possui alguns dos meus livros favoritos e outros que, neste seguimento, foram logo adicionados à lista de aquisições futuras;

Five books about weird metropolises – outra lista que contem obras favoritas, mas à qual, sem pensar muito, juntava muitos mais! Como The Other City de Michal Ajvaz;

16 Ecologically-minded speculative fictions – e se o conceito vos repele ou vos desinteressa, basta olhar para o início da listagem para perceber que talvez estejam a passar à frente de boas obras: Annihilation de Jeff Vandermeer, Oryx and Crake de Margaret Atwood, ou Stand on Zanzibar de John Brunner.

OK, Where do I start with that – a lista das listas – Jo Walton fez um grande índice alfabético explorando a cada letra um conjunto de autores e sugerindo livros para iniciar a leitura. Concordando-se ou não com algumas das escolhas, contem excelentes sugestões, que ainda não tive tempo de explorar para além da letra C. Sim, o conjunto é assim tão grande!

Finalmente, sem qualquer categoria específica eis mais quatro artigos:

Origins of the ghoul – figura explorada raramente nas recentes obras de fantástico negro ou horror, apresenta-se como uma transfiguração da espécie humana;

Jessamy Taylor’s top 10 castles in fiction – castelos que inspiraram ou serviram de palco para grandes obras;

11 Facts about Shirley’s Jackson The Lottery – o excelente conto distópico deu que falar e incomodou muita gente;

9 Great songs about libraris, librarians and books – e porque não ouvirmos, também, algo relacionado com livros?

Assim foi: Sustos às sextas (sessão de 17 de Abril)

IMG_4617

E chegámos à quarta sessão! A vantagem de chegar um pouco antes da hora é poder passear descansadamente pelas salas onde se encontram sempre expostas algumas peças de arte interessantes. Desta vez encontramos alguns quadros alusivos ao 25 de Abril, e entre eles, esta peça belíssima, mas também arrepiante.

IMG_4645

Após uma curta apresentação inicia-se a noite, com a declamação de poemas de horror, por Pedro Nunes Sazabra, mais propriamente dos poemas O Adão Inverso  e Um Mal Fascinante de Baudelaire. Componente curta da noite, mas em que a voz iniciou o tom negro que marcou esta sessão. Seguiu-se a interpretação do tema A Água Benta, de Chanson Noire. Assim que se senta o artista põe-se à vontade e revela uma voz espectacular que enche o espaço. Bem, espectacular talvez não seja bem o termo – a palavra que me vem à cabeça é mesmo brutal, pelas inflexões com que acompanha e se sobrepõe ao piano. Perde a visualização de qualquer vídeo quando comparada com a versão ao vivo – e mesmo não apreciando especialmente este género de música, este foi um dos grandes momentos da noite.

IMG_4647

O outro grande momento foi, claro, a palestra de David Soares, um exímio orador que nos levou por uma viagem, ao longo de vários tempos e culturas, entre os vários tipos de canibalismo, matando-se humanos para lhes comer a carne, ou aproveitando-se os restos mortais em mesinhas e remédios. Práticas que para nós tudo têm de bárbaro, mas que, para aqueles que naqueles tempos viviam, tudo tinha de óbvio. E claro que esta é uma descrição bastante simplista do discurso que ocupou a maior parte da noite e que intercalou costumes obscuros com histórias clássicas horripilantes, arrancando pequenas risadas da audiência que experimentou, em simultâneo, o fascínio e a repulsa.

Infelizmente, a noite para mim terminou aqui, mas para os que ainda ficaram, a sessão terá terminado como começou – mais música, mais declamação. Ah ! E um magnífico bolo (pelas fotos) para David Soares, que faria anos nesse dia.

2

Foto retirada da página oficial do facebook

 

No global, esta foi uma sessão mais coerente em tom e temática, em que as várias componentes do programa combinaram para um ambiente mais negro e interessante. Como nas sessões anteriores, é de realçar o esforço e o gosto dos organizadores em proporcionar um serão bem passado, num local que tem tudo de perfeito para a dimensão do evento.

Últimas aquisições digitais (algumas gratuitas) – internacional

FOR001_800

Neil Clarke, editor da revista Clarkesworld Magazine, lançou-se numa nova revista, a Forever, que pretende conter, por cada número, dois contos e uma novela. O primeiro volume já foi lançado e é gratuito (basta clicar aqui e seguir para a página do editor), contendo uma novela de Ken Liu, e dois contos, um de Peter Watts e outro de Susan Palwick.

megapack-2011

Para quem gosta de horror lovecraftiano, esta revista publica mensalmente ficção de vários autores conhecidos e lançou há pouco tempo packs anuais a preço razoável. Mesmo assim, disponibiliza gratuitamente alguns conjuntos, em troca de uma subscrição por e-mail no blog oficial (clicar aqui para instruções mais detalhadas).

king of swords

Este é o volume gratuito deste mês pela Samsung Book Deals (para quem tem kindle através do tablet da Samsung é disponibilizado um livro por mês). Este é o de Abril (e não, não é mentira). Não se julga um livro pela capa, mas esta não me parece auspiciar grande coisa. Talvez com a sinopse:

Rigel has always known he is not quite human, but the only clue to his origin is the otherworldly bracelet he has worn since childhood.

His search for his parentage leads him to the Starlands, where reality and fantasy have changed places. There he learns that he is a human-starborn cross, and his bracelet is the legendary magical amulet Saiph, which makes its wearer an unbeatable swordsman. Fighting off monsters, battling a gang of assassins seeking to kill him, Rigel finds honorable employment as a hero. He knows that he must die very soon if he remains in the Starlands, but he has fallen hopelessly in love with a princess and cannot abandon her.

Through the imaginative landscape of the Starlands, Rigel’s quest leads him to encounter minotaurs, sphinxes, cyclops, and more fearsome creatures in Dave Duncan’s latest fantasy series.

eclipse

Esta antologia chega ao quarto volume, com histórias de Caitlin R. Kiernan e Michael Swanwick, entre outros, e está em promoção, com o excelente preço de 0.99 na Amazon:

In the spirit of classic science fiction anthologies such as Universe, Orbit, and Starlight, master anthologist Jonathan Strahan (The Best Science Fiction and Fantasy of the Year) presents the non-themed genre anthology Eclipse: New Science Fiction and Fantasy. Here you will find stories where strange and wonderful things happen–where reality is eclipsed by something magical and new.

Continuing in the footsteps of the multiple-award-nominated anthologies Eclipse One, Eclipse Two, and Eclipse Three, Eclipse Four delivers new fiction by some of the genre’s most celebrated authors, including Andy Duncan’s tale of a man’s gamble that he can outrun a bullet; Caitlin R. Kiernan’s story of lovers contemplating the gravity of a tiny black hole; Damien Broderick’s chronicle of a beancounter who acquires a most curious cat; Michael Swanwick’s tale of the grey man who pulls an unhappy woman from the path of an oncoming train; Nalo Hopkinson’s story of ghosts haunting a shopping mall; and Gwyneth Jones’s story of an alien priest who suffers a crisis of faith…

hunble

Pela Humble Bundle chega mais um conjunto de livros de ficção científica, onde, pelo preço que se quiser se pode adquirir um bom conjunto de livros. Como é habitual quem oferecer um pouco mais que a oferta média ganha mais uns quantos livros, e quem oferecer mais do que 15 dólares, ganha ainda mais livros. Eis o link. De realçar que o conjunto conta com Beasts of Tabat de Cat Rambo (que adquirido isoladamente custa mais de 7 dólares).

Para quem este conjunto não lhe agrada, tem ainda o StoryBundle, que mais regularidade anuncia conjuntos agradáveis por condições semelhantes, e se encontra neste momento com dois conjuntos, um de fantasia juvenil e outro de viagens no tempo. Já agora, fica a dica, para os assinantes da Newsletter de vez em quando enviam livros gratuitamente.

time travel bundle

Destaque da semana: Novas edições pela Colecção Lua Cheia

Lua cheia

As mais recentes colecções da Civilização Editora são de encher os olhos! Mas neste caso o destaque é para a colecção Lua Cheia onde podemos encontrar novas edições de livros de ficção especulativa, mais propriamente clássicos dos géneros da ficção científica, do fantástico e do horror. Para além dos títulos interessantes e das capas graficamente impressionantes, o preço é bastante razoável e está agora a 20% de promoção.

dama

Quem não conhece a fantástica história da Dama pé de cabra, aqui compilada por Alexandre Herculano

“A Dama Pé-de-Cabra”, conto que dá título ao livro, conta a história de um nobre que, ao encontrar na serra uma dama, se perde de amores por ela; mas a dama não é quem parece ser e o nobre terá de sofrer muito em consequência das suas escolhas. Um conto misterioso, intrigante, marcante pelo tom com que é apresentado e onde os elementos sobrenaturais são soberanos. “A Abóbada” fala da construção do Mosteiro da Batalha, em particular, da abóbada da casa do capítulo. Este conto envolvente, marcado por descrições soberbas, ilustra como o orgulho excessivo pode ser a ruína de um homem. Um poderoso relato de uma época de grande poder e forte superstição.

frankenUm dos primeiros livros enquadrados no género de ficção científica, um clássico no género que pode ser também classificado como sendo de horror:

É Mary Shelley quem nos remete diretamente para a Antiguidade Clássica ao considerar o seu Frankenstein como o Prometeu moderno. O fogo dos deuses é agora o segredo da vida, que se vê materializado na criatura engendrada pelo Dr. Frankenstein através de uma heterodoxa abordagem do método científico, onde também se cruza alguma da investigação feita em torno do galvanismo e da medicina forense, em voga na época. Apesar de tomar como seu um atributo divino, o Dr. Frankenstein não será capaz de controlar completamente as implicações próprias da sua criação, o que terá, naturalmente, consequências funestas. Temos pois um olhar romântico sobre Prometeu e o mito de Pandora, onde se vislumbram os homúnculos de Paracelso e o Golem da tradição judaica.

carmilla

Alicerçada na tradição folclórica do Leste europeu e nas primeiras produções literárias sobre o tema, Carmilla haveria de dar origem ao arquétipo do vampiro feminino na literatura universal. Exerceu um papel fundamental na elaboração de Drácula (1897), sendo considerada a obra que deu a Bram Stoker a ideia e a inspiração para escrever o seu romance. Certa noite, após um acidente de carruagem, uma jovem muito atraente, Carmilla, uma das passageiras, é convidada a ficar hospedada no castelo da família de Laura para se recuperar.Carmilla é uma figura alegre e exótica, totalmente oposta a Laura. Entre elas desenvolve-se uma intensa e apaixonada amizade, mas os estranhos hábitos de Carmilla começam a despertar a curiosidade dos empregados. Quando uma “estranha doença” começa a conduzir à morte várias jovens da redondeza, Laura, cujas noites de sono são dominadas por terríveis pesadelos, procura descobrir os segredos da nova amiga e resistir aos seus encantos

edgar

“Os Crimes da Rua Morgue” é considerado por muitos a primeira obra policial de sempre. Mãe e filha são encontradas mortas num edifício situado na Rua Morgue, uma artéria parisiense. As vítimas foram brutalmente assassinadas e a sala onde foram descobertos os corpos encontrava-se trancada por dentro. Para adensar o mistério, os vizinhos alegam ter ouvido o assassino falar numa língua que ninguém consegue identificar. Quando um homem é acusado do crime, C. Auguste Dupin, um indivíduo solitário e de aguçada inteligência, oferece-se para ajudar a polícia a resolver este caso e impedir que um homem inocente seja preso por um crime que Dupin acredita não ter cometido. Um pelo encontrado junto dos corpos leva-o a crer que o assassino poderá não ser humano…

medico

O comportamento do Dr. Jekyll, um conceituado médico londrino, começa a preocupar os seus empregados e amigos, especialmente porque, cada vez mais isolado no seu laboratório, recebe frequentemente o intrigante e violento Mr. Hyde.Temendo pela vida do amigo, o advogado Utterson resolve tirar a limpo a história e vai à residência do médico procurar a explicação para tão bizarro comportamento. E é aí que descobre o que realmente se está a passar.

metamorfose

Em carta datada de 25 de outubro de 1915, dirigida a G. H. Meyer, da Kurt Wolff Verlag, Kafka exprime de forma veemente a sua preocupação pelo facto de o ilustrador escolhido para a sua obra, Ottomar Starke, poder vir a querer representar um inseto na capa de Die Verwandlung (A Metamorfose). “Isso de maneira nenhuma, por favor”, escreve Kafka, em antecipação. “O inseto em si não pode ser esboçado. Não pode ser visto sequer à distância.” Volvidos cem anos em 2015, a Civilização propõe aos seus leitores uma leitura renovada de “A Metamorfose”, de Franz Kafka, no cumprimento estrito da vontade expressa pelo autor, que julgamos reveladora.

chinela

Os contos fantásticos de Machado de Assis, bem pautados pelo estilo francês, concentram o teor mágico e insólito das suas narrativas no elemento onírico. É por meio do sonho, loucura, delírios ou alucinações que os protagonistas se defrontam com aparições fantasmagóricas, aventuras inacreditáveis, ameaças de morte, encontros com cientistas insanos e viagens astrais. Geralmente o enredo tem início em ambientes verosímeis, que em nada remetem ao surreal. E dessa forma Machado conduziu muito bem os seus textos deste teor. Vivendo num mundo crível, monótono e enraizado no quotidiano, os protagonistas são repentinamente lançados em ambientes mágicos, maravilhosos, e que fogem das leis normais da compreensão humana, como em “A Chinela Turca”, conto que dá título a este livro.

Resumo de Leituras – Março de 2015 (4)

fantasia negras joel

41 – Fantasia negras e outras histórias – Joel Puga – pequeno conjunto de histórias fantásticas, todas negras, de autoria portuguesa, publicado em formato digital. Entre as cinco histórias podemos encontrar bons exemplos de fantasia, sem lamechices ou criancices.

insonho

42 – Insonho, Durma bem – Vários autores – neste volume de aspecto impressionante encontramos várias histórias passadas em terras portuguesas onde se destaca o recordar dos seres que ainda habitam a memória colectiva portuguesa. Bastante distintos na forma de explorar o tema, é um conjunto muito interessante com excelentes histórias.

flatland

43 – Para cima e não para Norte – Patrícia Portela – baseado em Flatland de Abbott, descreve as peripécias de um homem plano que se vê confrontado com a ideia de existirem seres tridimensionais. Obcecado por este ideia, acaba preso e sem família, mas nem assim desiste de tentar provar ou de aceder a esse mundo que lhe parece tão distante.

IMG_3888

44 – Insólito – Loustal – excelente conjunto de quarenta e seis histórias, em que cada uma ocupa uma página com, em média seis quadrinhos. Apesar de curtas conseguem expor situações insólitas e cómicas, tornando-se, nalgumas, críticas sociais ou políticas.