Passatempo – O Exorcista de William Peter Blatty

exorcista

Sim, este é o livro que deu origem ao mítico filme de Terror, O Exorcista. Eis a sinopse da edição portuguesa, lançada pela Gailivro:

Publicado pela primeira vez em 1971, O Exorcista tornou-se não só um fenómeno literário como um dos livros mais assustadores e controversos alguma vez escritos. A história centra-se em Regan, a filha de doze anos de Chris MacNeil, uma ocupada actriz que reside em Washington D.C. A criança aparenta estar possuída por um demónio ancestral e cabe a dois padres a dura tarefa de o exorcizar, arriscando a sanidade e a própria vida. O Exorcista transcendeu as páginas escritas e saltou para o grande ecrã, onde se tornou uma referência incontornável do cinema. Mas se pensa que o filme é assustador, leia o livro. Até porque o filme nem chega a aflorar a ponta do iceberg! Propositadamente crua e profana, O Exorcista é uma obra com a capacidade de nos chocar, levando-nos a esquecer que “é apenas uma história”.

Tendo recebido uma cópia há alguns anos da editora, reparei que este é daqueles livros que, não fazendo totalmente o meu género de leitura, não devo ler nos próximos tempos. Eis então um passatempo para que alguém, mais interessado, possa usufruir.

Para ganharem este volume apenas têm de enviar um mail para rascunhos.blog [AT] gmail [DOT] com, indicando nome e morada, com o mesmo título do post “Passatempo – Exorcista“. Como anteriormente não têm de seguir o blog em nenhuma das suas vertentes (se o fizerem é agradável, mas não é obrigatório) – basta enviarem um mail. O passatempo termina a 25 de Abril.

Notas adicionais: Os dados enviados serão usados apenas para o passatempo. Aceitam-se participações em Portugal (continental e ilhas). Para fora de Portugal, apenas se participarem nos portes. Uma particpação por pessoa ou por mail (várias pessoas não podem participar de um mesmo endereço de e-mail e uma mesma pessoa não pode participar de vários endereços diferentes). Participações adicionais serão ignoradas. O único exemplar disponível será sorteado, e o vencedor comunicado neste blog. Irei, também, enviar um e-mail para o vencedor, com o intuito de confirmar os dados antes do envio. Se não me responder em tempo útil (duas semanas) passarei ao segundo contemplado. Porque não trabalho nem moro perto dos correios (nem estes têm um horário compatível com a minha profissão) por vezes demoro um pouco a enviar o exemplar.

As novas estantes

IMG_3546

E chegou a vez das estantes da sala, aquelas que contêm maioritariamente comics e hardcovers. Na prateleira de cima estão as há muito lidas séries The Preacher e Fables. The Preacher é uma história simultaneamente violenta e cómica em que um padre foi possuído por uma criatura sobrenatural que lhe confere autoridade absoluta às suas palavras. Significa que se disser a alguém para contar os grãos de areia da praia, essa pessoa vai literalmente contar todos os grãozinhos (isto para dar um exemplo suave das possibilidades por detrás de tais comandos). Ah! E já disse que o padre tem muito pouco de Santo?

preachers

Já de Fables faz lembrar a série Once Upon a Time, apesar de lhe ser anterior. Aqui as personagens das fábulas viram-se obrigadas a deixar o seu mundo, capturado por forças malignas, e acabaram no nosso mundo, sob forma humana. Os príncipes encantados são afinal homens narcisitas e egoístas que de cavalheiros pouco têm, a Branca de Neve está divorciada e o lobo mau é um detective humano que tenta ganhar a confiança dos outros elementos da sua sociedade. Fábula após fábula, as histórias e as personagens vão mostrando as decepções de vida em que se transformaram os contos, histórias de encantar que não conseguem sobreviver ao quotidiano.

IMG_3680

Outra série que me fascinou foi 1602. Pelo menos o primeiro volume. Neste mundo alternativo ao clássico mundo Marvel, os mesmos poderes surgiram alguns séculos antes, durante os descobrimentos. Depois de uma interessante primeira aventura, a mesma premissa é explorada em 1602 – New World e 1602 – Fantastic Four. Enquanto que em New World conhecemos um homem aranha diferente na colónia Virgínia, em Fantastic Four conhecemos o grupo de heróis numa peça de teatro que tentará salvar Shakespeare.

IMG_3569

E também nestas estantes que residem alguns dos livros de Neil Gaiman, começando por Mirrormask, um livro representativo do filme de mesmo nome, de história estranha, mas bastante estimulante em termos visuais, relembrando por vezes quadros de Dali, ainda que numa faceta mais negra. Se em Mirrormask a história não é o forte, já o mesmo não se pode dizer de Neverwhere. Tendo conhecido a história primeiro em livro e só depois a representação das personagens na banda desenhada, tenho a dizer que o que tinha imaginado não de adequa muito ao estilo apresentado. Ainda assim, é uma história espectacular, uma transformação da cidade cinzenta e opressiva, que ganha espaço e magia no submundo, uma realidade paralela e invisível à maioria dos citadinos, demasiado presos ao seu dia-a-dia.

IMG_3573

Do lado direito encontram-se dois dos livros mais recentes do autor: The Sleeper and the Spindle e Hansel & Gretel. Uma que adorei, outra que nem tanto. Se a primeira transfigura de forma fantástica duas conhecidas fábulas, dando profundidade e novos sentidos à Branca de Neve e à Bela Adormecida, em cenários a três cores (preto, branco e dourado) de tirar o fôlego; já o segundo apresenta-se tão negro quanto a capa contando uma conhecida história sem lhe acrescentar nada de novo, nem às personagens, nem aos acontecimentos.

IMG_3593

E porque faleceu recentemente, aproveito também para destacar um conjunto das obras de Terry Pratchett: três bandas desenhadas baseadas nos seus livros (Eric, The Colour of Magic e The Light Fantastic), Homenzinhos Livres (publicado pela Saída de Emergência) e Hogfather. Para quem não conhece este Universo, e para dar uma noção do nonsense que neles habita, basta descrever o mundo em que decorre, um disco suportado por quatro elefantes, por sua vez sustentados por uma tartaruga gigante. Ainda. A morte é uma personificação originada pela crença dos humanos, tal como outras figuras imaginárias como o Pai Natal. Já os académicos são um bando de lunáticos, demasiado centrados nas suas próprias experiências para se preocuparem com o mundo que os rodeia. E isto são apenas alguns detalhes do extenso mundo, carregado de sátiras em relação aos costumes e hábitos humanos.

 

Últimas aquisições

IMG_3690

No topo estão três exemplares da Letras com Asas, uma nova editora que irá apostar também na ficção especulativa, mais concretamente nos géneros ficção científica e literatura fantástica. Por enquanto publicaram apenas três obras, Immortalis de Carla Ribeiro no género fantástico, O Poder Interior de Bruno Matos no género infantil e Renascer das Cinzas de Susana Almeida como romance.

IMG_3705

Quando ainda há notícias como estas, de lobos e magias, nada mais a propósito do que uma antologia de contos passados no interior português, que exploram monstros sobrenaturais, ainda hoje temidos nas noites escuras e mal iluminadas das florestas e matagais. Entre lobisomens e papões, não me esperam noites descansadas.

fotografia

E há que aproveitar as boas promoções e a venda de livros em segunda mão. Apesar de juvenil Sete minutos depois da meia-noite é um volume impressionante, impresso em papel fotográfico, com direito a poster extra e carregado de imagens no interior. Já Uma ideia da Índia de Alberto Moravia pouco tem a ver com os géneros de fantástico ou horror, sendo mais um volume da colecção de literatura de viagem da Tinta da China.

IMG_3625

Passando pela FNAC de Alfragide para pegar a última Bang! não podia vir de mãos a abanar. E tive uma boa surpresa com a pequena secção de banda desenhada que me pareceu mais diversa do que a que tenho visto noutras FNAC’s. Acabei por me agarrar a este Malus da Chili com Carne.

IMG_3682

Depois de Elektra e Ultimate X-Men (oferecidos) não me podia esquecer dos lançamentos da Levoir pelo Público. Este parece que vai a fugir…

IMG_3633

 

 

The Dark – Volume 2 – Vários autores

the dark 2

Mais coeso em qualidade, mas sem histórias tão fortes quanto o primeiro número, este volume da The Dark apresenta-nos novamente quatro histórias fantásticas com toques de horror, começando por Our Lady of Ruins. Neste conto um homem perde-se na floresta enquanto tenta procurar ajuda para o carro avariado. Bem, na realidade encontra-se, não se perde – de uma forma estranha parece passar entre realidades e retornar aos braços da esquecida amada onde se sente completamente integrado. Até ao dia em que acorda novamente neste mundo, perdido na estrada e retorna à esposa que o tinha dado por  morto há muito. Um conto melancólico de um ser humano que, tendo conhecido a perfeição, não se encaixa na realidade que encontra.

Em The Nameless Saint uma velhota encarna quase o perfeito papel de bruxa moderna, uma bruxa de boas intenções que captura as misérias que murmuram aos ouvidos dos humanos, deixando-as em gaiolas inquebráveis pela força. O quotidiano repete-se sem grandes surpresas até um dia. E porque tem sempre de existir um ponto de ruptura dos hábitos repetidos, nesta história este é representado por uma menina curiosa que estranha os hábitos da velhota. Imune aos feitiços que afastam a maioria dos seres humanos, é vista pela velhota como o futuro da profissão. Fazendo as misérias parte da condição humana, neste conto questiona-se indirectamente o seu papel na vida de todos os homens.

Wrought Out From Within Upon the Flesh de E. Catherine Tobler é uma longa história metafórica de dor e abuso, onde uma mulher transformada se esquece do que já foi. Resumida ao aspecto em que o amante a transfigura, aparência submissa e simultaneamente indefesa, parece acordar do torpor quotidiano. Sendo um conto fantástico esta transfiguração não poderia ser algo assim tão simples – de braços transformados em correntes e ferros, vê crescer os dedos e mãos que há muito esqueceu, e volta a conhecer a liberdade de andar e falar. Sem dúvida uma das histórias mais estranhas do conjunto, descreve as sensações da mulher antes e depois da transformação, sensações surreais que causam alguma repulsa.

Finalmente, em Five Boys Went to War uma idosa tenta manter os cinco filhos mortos na guerra que terão voltado sob forma pouco humana. Recordando os dias de cada um, volta a casa depois de comprar carne triturada que pretende distribuir entre eles. Quando chega encontra-os, cada vez mais contaminados pelos fungos, cinco figuras a que se agarra com saudades, mas que pouco parecem ter dos seres humanos que foram. História estranha e arrepiante, termina o conjunto de forma pesada e, novamente, melancólica.

Eventos: Insonho

insonho 2

Foto de Francisco Fernandes (um dos autores)

Foi no passado dia 7 de Março mas não foi esquecido. No espaço já muito conhecido em eventos do género (Biblioteca Municipal de Telheiras) decorreu o lançamento do livro (agora com livro disponível para venda), com presença de vários dos autores que contribuiram com histórias baseadas no folclore fantástico português.

insonho

Foto de Francisco Fernandes (um dos autores)

 

Centrando-se em locais portugueses, cada uma das 9 histórias explora um monstro, dando espaço aos terrores que habitam nas terríolas do interior ou uma nova interpretação aos seres míticos, origem de medos e pesadelos, desde o lobisomem ao bicho papão. Para os curiosos em saber algo mais, encontra-se disponível um vídeo de todo o evento da autoria de Luís Filipe Silva. Em relação ao livro, será, sem dúvida uma das minhas próximas leituras, mas posso realçar que, graficamente, está excelente.

Eventos: Sustos às sextas (Sessão de 13 de Março)

figuras clássicas

Eis que chegou mais uma sexta-feira 13 acompanhada por Sustos às Sextas. À chegada do local destacam-se as melhorias – um caminho mais amigável a passadas e iluminado. No interior, as duas salas contíguas ao salão do evento apresentam novas exposições, com alguns quadros dignos de destaque. Já no salão destaca-se a colecção de jazz que, sem ter relação com a temática do encontro conferia um aspecto curioso ao espaço.

IMG_3487

Mas voltando ao tema. A sessão iniciou-se com a apresentação da exposição Figuras Clássicas do Terror composta por vários quadros de temática monstruosa, onde podemos encontrar, entre outros, um golem, um frankenstein ou um homem invisível. De estilos e autorias diferentes, os quadros formam um conjunto interessante de boa qualidade. Eis um dos mais falados:

homem invisivel

Foto retirada da página facebook do evento

Após a visita à galeria acompanhados por gostosas bolachinhas aterradoras, seguiu-se o momento mais esperado da noite: “A perspectiva do novo horror” de João Barreiros. Introduzindo-nos ao tema com uma breve explicação sobre a origem do prazer que sentimos com o género horror, João Barreiros levou-nos por uma pequena viagem entre os livros que o marcaram.

IMG_3483

Entre livros da extinta colecção argonauta (re)descobrimos A.E. Van Vogt, Clive Barker (com Books of Blood), Peter Straub (com Ghost Story), William Hope Hodgson (com The House on the Borderland) ou China Miéville (autor de um dos meus livros favoritos, Perdido Street Station) sem faltarem as bandas desenhadas e as referências francesas tão fora do que costume ser falado ou publicado em Portugal. Após um curso intervalo, a noite terminou com leitura interpretativa do conto “A Pata de Macaco” de W. W. Jacobs, um clássico do género:

Sustos

Foto retirada da página facebook do evento

Resumo de Leituras – Março de 2015

wastelands

29 – Wastelands – Stories of the Apocalypse – Vários autores – um bom conjunto de histórias apocalípticas que surpreendeu com os autores menos conhecidos, mas que ficou aquém nos autores mais relevantes. Com diferentes abordagens ao tema, algumas muito interessantes, um conjunto aconselhável.

IMG_3367

30 – O Manuscrito Durruti - Rafael Gouveia – pequena história de encontros e desencontros ao longo de várias cidades europeia, que culmina de forma abrupta. Exercício interessante em torno de Durrutti, mas que do ponto de vista da história contada tem pouco para retirar.

Jacaranda

31 – Jacaranda - Cherie Priest - História de horror decorrendo no mesmo Universo que a série steampunk ClockWork Century, onde se cria um ambiente apropriado dentro de um hotel mais habitado do que parece à primeira vista. Engraçada, sem ser excelente, a história possui algumas falhas na concretização, em que a autora parece não saber o que fazer com tanta personagem.

The-Dark-Issue-1-small

32 – The Dark Issue I – Vários autores – A primeira edição desta revista possui quatro contos fantástico com detalhes de horror de Nnedi Okorafor (conhecida por Who Fears Death), Rachel Swirsky, Angela Slatter e Lisa L. Hannett. Gostei bastante de dois dos contos, o que é excelente considerando que é uma revista que, até agora, tem sido distribuída gratuitamente.

Últimas aquisições

IMG_3319

O conjunto começa com uma aquisição em segunda mão, O Japão é um lugar estranho, de Peter Carey. Este é mais um dos belíssimos exemplares da colecção de literatura de viagem, neste caso com várias ilustrações de Anime e Manga. Eis a sinopse:

Peter Carey percorre a Tóquio moderna e entrevista os protagonistas da cultura da «manga», procura respostas impossíveis, naquele estilo levemente ébrio que nos faz nunca perder a sua prosa. The Guardian Escrito com a destreza narrativa de um romancista de créditos firmados (vencedor do Booker Prize por duas vezes), este livro traz em si, também, a urgência da reportagem e a capacidade de observação do melhor jornalismo. Revela-nos aquilo a que muita gente ainda não terá dado a atenção necessária: que há uma nova geração de adolescentes ocidentais a crescer, nesta primeira década do século XXI, sob a influência da cultura popular japonesa. Peter Carey conduz o filho e é conduzido (levando-nos a nós também nessa viagem) pelos labirintos de uma cultura cheia de códigos mais ou menos impenetráveis para um estrangeiro. Uma cultura bem mais transparente para um adolescente familiarizado com os universos da manga e do anime do que para um adulto à procura de uma chave que se revela quase sempre «lost in translation».

IMG_3379

Segue-se O Visitante da Noite & Outros Contos, de B. Traven – este adquirido em promoções Bertrand, aproveitando uma campanha de 20% em tudo. Já há algum tempo que ando de olho no livro – pelo que não deixei passar a oportunidade. Publicado em Portugal pela Antígona, possui uma capa que relembra o dia dos Mortos mexicano, ideia que o resumo na capa parece apoiar:

Impressionado pela exploração a que os mexicanos estavam sujeitos, B. Traven traça neste livro um retrato afectivo e humano deste povo, fundindo com mestria incidentes do quotidiano e histórias do folclore de uma nação. N’O Visitante da Noite e Outros Contos – visões do México rural, entre índios e covis de bandoleros –, os poderes de observação e de descrição de Traven esboçam o retrato da identidade e das forças vitais de um país. A presente colectânea inclui, entre outros contos, «Macario», a lenda de um lenhador que faz um pacto com a Morte, «O Visitante da Noite», no qual a história do México desfila nos sonhos de um solitário forasteiro americano, e «Uma História verdadeiramente Sangrenta», ou as vicissitudes bem-humoradas de um gringo que aspira a ser repórter.

IMG_3367

Seguem-se mais três usados, pequenas bandas desenhadas publicadas pela Polvo, ambas desconhecidas, mas que me pareceram interessantes. O Amor Infinito que te Tenho, de Paulo Monteiro, reúne várias histórias curtas e foi distinguido no Festival de Banda Desenhada da Amadora como Melhor Álbum Nacional:

Este é o primeiro livro de banda desenhada de Paulo Monteiro. Reúne um conjunto de histórias curtas efectuadas entre 2005 e 2010 e mostra de forma clara e concisa o percurso de maturação de um autor que vive intensamente as histórias que conta e desenha.
Já se tornou, com toda a justiça, no livro mais traduzido de sempre da BD portuguesa. A 3ª edição inclui, como novidade, um álbum de fotografias do autor.

IMG_3357

Finalmente, uma adaptação à banda desenhada de O Estrangeiro (de Camus) que conheci numa das sessões de Recordar os Esquecidos, e o primeiro volume da série de Novela Gráfica que está a sair agora com o Público (e vale a pena, quer pelo formato, quer pelo preço).

IMG_3351

Mas nem tudo nas novas aquisções são bandas desenhadas, há também dois volumes curiosos: O Último Europeu e Stoner. O primeiro da autoria de Miguel Real (que esteve presente em Recordar os Esquecidos) possui uma premissa curiosa para o género de livro que é:

Em 2284, a Europa é maioritariamente composta por Baldios governados por clãs guerreiros que escravizam as populações esfomeadas; subsiste, porém, um território isolado por um cordão de segurança com uma sociedade que, por via da ciência e da tecnologia, atingiu um nível altíssimo de felicidade individual, pois todos os desejos podem ser consumados, ainda que apenas mentalmente. Nesta Nova Europa, as relações sexuais são livres e não se destinam à procriação: as crianças, desconhecendo os pais, nascem nos Criatórios em placentas sintéticas e seguem para Colégios onde, sem a ajuda de livros, andróides especializados incrementam as suas competências como futuros Cidadãos Dourados. As famílias reúnem-se por afinidades, ninguém trabalha e nem sequer existem nomes, para que ninguém se distinga, já que todas as conquistas se fazem em nome da comunidade. Mas este mundo aparentemente perfeito sofre uma inesperada ameaça: a Grande Ásia, lutando com graves problemas de demografia, acaba de invadir a Europa… Um velho Reitor, estudioso do passado, é chamado a liderar uma equipa que possa refundar algures a Nova Europa e a deixar testemunho da sua História. Vinte e cinco anos depois da queda do Muro de Berlim, Miguel Real constrói uma utopia sublime no contexto de um novo paradigma civilizacional, revelando o seu talento de escritor e filósofo e, ao mesmo tempo, chamando a atenção para o esgotamento da Europa actual.

IMG_3385

E falando em esquecidos, Stoner de John Edward Williams, lançado em 2014, tem sido livro de destaque, apesar de ter sido publicado originalmente há 50 anos:

Romance publicado em 1965, caído no esquecimento. Tal como o seu autor, John Williams – também ele um obscuro professor americano, de uma obscura universidade. Passados quase 50 anos, o mesmo amor à literatura que movia a personagem principal levou a que uma escritora, Anna Gavalda, traduzisse o livro perdido. Outras edições se seguiram, em vários países da Europa. E em 2013, quando os leitores da livraria britânica Waterstones foram chamados a eleger o melhor livro do ano, escolheram uma relíquia.

Julian Barnes, Ian McEwan, Bret Easton Ellis, entre muitos outros escritores, juntaram-se ao coro e resgataram a obra, repetindo por outras palavras a síntese do jornalista Bryan Appleyard: “É o melhor romance que ninguém leu”. Porque é que um romance tão emocionalmente exigente renasce das cinzas e se torna num espontâneo sucesso comercial nas mais diferentes latitudes? A resposta está no livro. Na era da hiper comunicação, Stoner devolve-nos o sentido de intimidade, deixa-nos a sós com aquele homem tristonho, de vida apagada. Fechamos a porta, partilhamos com ele a devoção à literatura, revemo-nos nos seus fracassos; sabendo que todo o desapontamento e solidão são relativos – se tivermos um livro a que nos agarrar.

Fevereiro de 2015

Eis mais um resumo mensal, desta vez com uma pequena modificação de formato.

divergencia

Críticas interessantes

Ficção Científica

O Verdadeiro Dr. Fausto - Michael Swanwick – Leituras do Corvo Fiacha;

Por Mundos Divergentes – Vários autores – Que a Estante nos Caia em Cima;

Exhalation - Ted Chiang – Nuno Ferreira;

Fantasia

A Segunda Vinda de Cristo à Terra - João Cerqueira – Deus me Livro;

Mares de SangueScott Lynch – Nuno Ferreira;

O Poço da Ascenção - Brandon Sanderson – Deus me Livro;

fatalle

Banda desenhada

A Morte Persegue-me - Ed Brubaker – Que a Estante nos Caia em Cima;

Poem Strip - Dino Buzzati – aCalopsia;

2001 Nights - Intergalacticrobot;

Revoir Paris - Benoit Peeters, François Schuiten – Intergalacticrobot;

Habibi - Craig Thomson – Cadeirão Voltaire;

Outros

O Deserto dos Tártaros - Dino Buzzati – Leituras do Corvo Fiacha;

A Biblioteca - Zoran Zivkovic – Deus me Livro;

Contos reunidos - Aldous Huxley – Deus me Livro;

contos nao vendem

Outros artigos

Vejam Lisboa na Era Neo-Vitoriana - Game Over – Adaptação de várias cidades ao estilo do The Order: 1886 – mas se quiserem ver as imagens oficiais, eis;

O Regresso de Luís Louro: 1994 a 2007 - aCalopsia;

Fantasporto procura histórias… - Simetria;

Micro-contos de Jacques Sternberg, lidos por Joana Bértholo - Contos não vendem;

EBA: Dança e Storytelling - Virtual Illusion.

Lançamentos nacionais mais relevantes

Terras devastadas - Stephen King – publicado pela Bertrand é o terceiro volume da série;

O Poço da Ascenção – Brandon Sanderson – publicado pela Saída de Emergência, pertence à saga Mistborn;

A Quimera de Praga – Taini Taylor – a nova aposta fantástica da Porto Editora;

Sete minutos depois da meia noite - Patrick Ness – pela Editorial Presença parece ser um juvenil fantástico com elementos de horror;

Colecção Novela Gráfica - saiu o primeiro volume, Um Contrato com Deus, em capa dura e preço acessível;

História Universal da Infâmia - Jorge Luís Borges – apesar de existirem volumes com a obra completa, a Quetzal tem publicado estes pequenos conjuntos, mais manobráveis.

sustos as sextas

Eventos

Se normalmente os eventos se costumam acumular todos por volta de Outubro / Novembro, parece que este ano é a excepção. Os eventos iniciados em Janeiro prosseguem, e esperemos que assim seja nos próximos meses:

Sustos às sextas – a segunda sessão foi marcada por interpretação ao vivo de passagens do Fantasma da Ópera, por uma pequena sessão em torno do filme Coisa Ruim, e pela leitura de um conto de António Monteiro à luz das velas;

Recordar os Esquecidos - decorreu a segunda sessão de Recordar os Esquecidos na Almedina, sessões moderadas por João Morales onde convidados recordam livros que poucos lembram, ou que nunca foram muito conhecidos.

_______________

Outros resumos

Novembro 2014

Dezembro 2014

Janeiro 2015

Jacaranda – Cherie Priest

Jacaranda

Cherie Priest tornou-se mais conhecida com a série steampunk Clockwork Centurey iniciada com Boneshaker. Este volume, pertencente à mesma série, possui uma história bastante mais negra, de cenário contido, onde escasseiam os elementos Steampunk, mas sobejam os de horror.

O cenário é o hotel Jacaranda. De linhas rectas que pouco se enquadram à paisagem, terá sido construído no mesmo local onde terá existido uma velha árvore. Destino de peregrinação, foi cortada para dar lugar à construção massiva que é agora palco de múltiplas mortes em condições suspeitas, constituindo um local aterrador do qual ninguém se decide a partir.

Nas primeiras páginas assistimos à chegada do Padre Juan Rios, em resposta ao pedido de ajuda que recebeu através das cartas da freira Eileen, que lhe expõe as condições das mortes. Com fama de resolver situações complicadas, o Padre apercebe-se da entidade que se desenvolveu no hotel, entidade que será responsável por captar e manter próximo pessoas afligidas pela quebra de promessas e, por isso, facilmente manipuláveis.

Ninguém é isento de sentimento de culpa. Da freira pouco se sabe, mas o Padre terá quebrado um voto quando matou, de uma só vez, 12 bandidos. Com a chegada de um Ranger do Texas (também chamado pela freira), descobre-se o que aflige cada habitante do hotel, e estabelece-se o padrão. Sucedem-se mais mortes escabrosas e finalmente há quem se decida a deixar o hotel – mas o início de um forte temporal obriga todos a fecharem-se sob a luz da vela, enquanto ouvem os murmúrios da velha Jacaranda que os quer destruir.

Ainda que nos livros desta série existam elementos negros de grande inevitabilidade, esta é, das histórias que já li, a única que se insere totalmente no género de horror. Entre as mortes estranhas que se vão sucedendo e os sussurros angustiantes no hotel, encontra-se o sentimento de culpa de cada personagem – sentimento este que os leva a procurar uma expiação para as suas acções.

Ainda que seja uma leitura interessante e aconselhável, não chega a ser extraordinária. Por um lado nunca percebemos realmente a permanência da freira nem as suas motivações, por outro, o trio constituído pelo padre, pela freira e pelo ranger nunca entra em acção, parecendo existir momentos de incerteza sobre o que fazer com estas três poderes em simultâneo. Finalmente, a história termina de forma expectável, deixando o leitor à espera de algo mais.

Este livro faz parte do conjunto lançado pela Humble Bundle.

Últimas aquisições digitais (algumas gratuitas)

the situation

Publicado em 2008 é uma pequena e espectacular história de um ambiente de trabalho surreal em todos os aspectos, um ambiente de trabalho que se vai tornando cada vez mais hostil e distante enquanto se aprofundam as intrigas entre colegas. Mas sendo uma história de Jeff Vandermeer, claro que não poderia ser assim tão simples. Lentamente percebemos que fora daquela empresa a cidade sofreu alguma catástrofe e os trabalhadores têm muito pouco de humano. The Situation encontra-se disponível gratuitamente. Caso gostem, podem também encontrar uma pequena banda desenhada no site TOR.com.

humble bumdle

 

A Subterranean Press costuma ser responsável por excelentes edições de ficção científica e fantástica, de conhecidos autores dos géneros. Em parceria com a Humble Bundle estão a lançar um “paga o que quiseres” por um excelente conjunto de sete edições digitais: Brayan’s Gold de Peter V. Brett ou Jacaranda de Cherie Priest (conhecida pela série Steampunk iniciada com Boneshaker). Quem pagar mais do que a média tem direito a mais 12 livros de entre os quais destaco os livros de Clive Barker, Ted Chiang, John Scalzi, ou Elizabeth Bear . E quem pagar mais do que 15 dólares recebe ainda a mais 3 livros. Resumindo: por 15 dólares podemos receber 22 livros.

Pedindo submissões

Eis algumas novas oportunidades para quem escreve !

call to arms

Planeado o Clockwork para 2015, claro que seria de esperar a edição de um novo Almanaque Steampunk. O formato dos anteriores é bastante interessante (podem ver o de 2012 aqui) pelo que o de 2015 não deve ficar atrás. Para o Almanaque não se procuram apenas histórias, mas também banda desenhada, ilustrações e poesia. Podem ver instruções mais detalhadas no site oficial.

concurso de contos de terror

Já divulgado anteriormente aqui, mas cá fica novamente a nota. A iniciativa enquadra-se dentro do evento Sustos às sextas e procura contos de terror. Através do e-mail ou da página de facebook podem encontrar mais informação.

divergencia

Enquanto nos anteriores se aceitam contos, aqui aceitam-se manuscritos, dentro do género ficção especulativa: fantasia, ficção científica e terror. Fica a nota de que não pretendem trilogias nem séries, mas histórias de um volume apenas. Aqui ficam mais detalhes.

 

Destaque da semana: Sete minutos depois da meia-noite

sete minutos depois da meia noite

Mais conhecido pela série Chaos Walking, este premiado autor de livros juvenis vê agora um livro publicado em português: A Monster Calls. Com direito a trailler no site da editora, deixo aqui a sinopse:

Passava pouco da meia-noite quando o monstro apareceu. Mas não era exatamente o monstro de que Conor estava à espera…

A escuridão, o vento, os gritos. O mesmo pesadelo noturno desde que a mãe de Conor ficou doente. Tudo é tão aterrorizador que Conor não se mostra assustado quando uma árvore próxima de sua casa se transforma num monstro… Mas só o monstro sabe que Conor esconde um segredo e é o único a estar ao seu lado nos seus maiores medos.

Inspirado numa ideia original da escritora Siobhan Dowd, que morreu de cancro em 2007, Patrick Ness criou uma história de uma beleza tocante, que aborda verdades dolorosas com elegância e profundidade, sem nunca perder de vista a esperança no futuro. Fala-nos dos sentimentos de perda, medo e solidão e também da coragem e da compaixão necessárias para os ultrapassar.

É com ilustrações soberbas que complementam e expandem a beleza do texto que a fantasia e realidade se misturam em Sete Minutos Depois da Meia-Noite.

 

 

Últimas aquisições digitais (algumas gratuitas)

Dark magazine

Se forem ao site oficial da revista podem-se inscrever para receberem quatro volumes gratuitos. O primeiro foi-me enviado já esta semana e ainda que os autores deste não me sejam conhecidos, nos volumes anteriores podemos encontrar Nnedi Okorafor, Silvia Moreno-Garcia ou S.L. Gilbow. Mais conhecidos ainda são os editores: Jack Fisher e Sean Wallace. O primeiro editor da revista Flesh & Blood costuma organizar antologias. Já o segundo é o editor da Prime books, tendo já organizado revistas como a Clarkesworld, The Dark ou Fantasy Magazine. Este será sem dúvida um projecto para acompanhar nos próximos tempos.

mongoliad

Para quem usa o Kindle reader através de um Samsung existe a possibilidade de adquirir um volume gratuito todos os meses. De entre as quatro possibilidades deste mês escolhi este The Mongoliad:

The first novel to be released in The Foreworld Saga, The Mongoliad: Book One, is an epic-within-an-epic, taking place in 13th century. In it, a small band of warriors and mystics raise their swords to save Europe from a bloodthirsty Mongol invasion. Inspired by their leader (an elder of an order of warrior monks), they embark on a perilous journey and uncover the history of hidden knowledge and conflict among powerful secret societies that had been shaping world events for millennia.

But the saga reaches the modern world via a circuitous route. In the late 19th century, Sir Richard F. Burton, an expert on exotic languages and historical swordsmanship, is approached by a mysterious group of English martial arts aficionados about translating a collection of long-lost manuscripts. Burton dies before his work is finished, and his efforts were thought lost until recently rediscovered by a team of amateur archaeologists in the ruins of a mansion in Trieste, Italy. From this collection of arcana, the incredible tale of The Mongoliad was recreated.

Full of high adventure, unforgettable characters, and unflinching battle scenes, The Mongoliad ignites a dangerous quest where willpower and blades are tested and the scope of world-building is redefined.

A note on this edition: The Mongoliad began as a social media experiment, combining serial story-telling with a unique level of interaction between authors and audience during the creative process. Since its original iteration, The Mongoliad has been restructured, edited, and rewritten under the supervision of its authors to create a more cohesive reading experience and will be published as a trilogy of novels. This edition is the definitive edition and is the authors’ preferred text.

apex

O site VODO de vez em quando disponibiliza e-books a preços muito acessíveis. Ainda assim quem achar que o preço é excessivo, pode sempre fazer uma proposta de preço, que às vezes até é aceite. Neste momento, dos que se encontram disponíveis interessei-me por um livro de Daryl Gregory, e por esta colectânea de histórias de ficção científica de países tão distintos como Filipinas, Israel, Tailândia, Croácia ou Malácia (entre outros). No site oficial encontram não só uma lista completa de conteúdos como a sinopse:

Among the spirits, technology, and deep recesses of the human mind, stories abound. Kites sail to the stars, technology transcends physics, and wheels cry out in the night. Memories come and go like fading echoes and a train carries its passengers through more than simple space and time. Dark and bright, beautiful and haunting, the stories herein represent speculative fiction from a sampling of the finest authors from around the world.

we are all completely fine daryl gregory

Entre Pandemonium e The Devil’s Alphabet, os livros de Daryl Gregory costumam apresentar boas histórias de premissas originais e improváveis:

Harrison was the Monster Detective, a storybook hero. Now he’s in his mid-thirties and spends most of his time popping pills and not sleeping. Stan became a minor celebrity after being partially eaten by cannibals. Barbara is haunted by unreadable messages carved upon her bones. Greta may or may not be a mass-murdering arsonist. Martin never takes off his sunglasses. Never. No one believes the extent of their horrific tales, not until they are sought out by psychotherapist Dr. Jan Sayer. What happens when these seemingly-insane outcasts form a support group? Together they must discover which monsters they face are within–and which are lurking in plain sight.

Eventos: Sustos às sextas (Sessão de 13 de Fevereiro)

Sustos às sextas é o nome de um evento que se dispõe a falar de horror em diversas artes ao longo de cinco sessões mensais, no Palácio dos Aciprestes em Linda-a-velha. Não tendo podido ir à primeira sessão, foi com agradável surpresa que entrei no belíssimo espaço, através de uma sombria entrada lateral, bem enquadrada no espírito do evento.

Lá dentro, aguardava-me um ambiente acolhedor e nada escuro, com exposições artísticas de teor fantástico (ou fantasioso), de acordo com a temática. Mas o inesperado é a sala principal – mesmo depois de ter visto as fotos da sessão anterior, o espaço que encontrei é ainda mais acolhedor e propício.

sustos 1

Anabela Paixão e António Leitão com Manuela Fonseca ao piano

 

Sentados, eis que a sessão começa com a apresentação de dois trechos do Fantasma da Ópera de Andrew Lloyd Weber. Após a introdução do Prof. Fernando Serafim os trechos foram interpretados por Anabela Paixão e António Leitão, acompanhados por Manuela Fonseca ao Piano. Uma performance arrepiante que começou com uma das mais conhecidas e marcantes músicas deste espectáculo.

sustos 2

Coisa Ruim – conversa com Rodrigo Guedes de Carvalho e Frederico Serra

 

Segue-se uma pequena apresentação de alguns dos mais conhecidos filmes de horror, que nos pretende introduzir à conversa em torno de Coisa Ruim, com Rodrigo Guedes de Carvalho e Frederico Serra. Para quem não viu o filme, tenho a dizer que foi dos poucos filmes portugueses que apreciei. Sem ser um supra-sumo do cinema, destacou-se por aproveitar o ambiente aterrador das quase abandonadas aldeias portuguesas, trazendo à tona o clima supersticioso do interior português.

sustos 3

António Monteiro em leitura de um conto do próprio

 

Após um breve intervalo, inicia-se a terceira e última parte da sessão, a leitura de um conto de horror por António Monteiro da autoria do próprio. Em sala escura iluminada apenas por velas, ouviu-se uma história onde, novamente, se destaca o ambiente rural e sombrio do interior, onde os idosos continuam a fazer as suas mezinhas, e onde se acredita que o diabo anda à solta.

Em suma, espaço extraordinário para um evento muito agradável que aconselho vivamente, e espero que nada me impeça de poder comparecer às próximas sessões.

Página Oficial do Evento

THE Gallery – Fredrik Dahl Tyskerud

Porque em torno do livro também existem imagens que evocam memórias das leituras, inicio este espaço com alguma da arte que me tem fascinado. Em consequência, o cabeçalho do site irá ser mudado consoante o que for acrescentado, e haverá uma página com o nome THE Gallery com ligação para as várias entradas.

Fredrik Dahl Tyskerud

E o primeiro nome é de um artista Norueguês que trabalha em arte para jogos e filmes, bem como para livros e publicidade. Entre os seus trabalhos encontram-se imagens alusivas ao meu livro favorito: Perdido Street Station. Nestas imagens capta-se bem o sentimento arrebatador e desesperante que transparece a cada página, uma beleza estranha e hipnotizante que envolve o leitor, agora relembrada.

perdido_street_station_by_dcept-d4t0pmd

Perdido Street Station

E, para quem conhece o livro, quem não se lembra da Oficina? Eis também aqui retratada, numa imagem menos forte, mas que constitui um detalhe espectacular da mesma obra.

isaac__s_workshop_by_dcept-d4lgb6k

Isaac’s Workshop (Perdido Street Station)

O trabalho desta artista não se centra apenas em Perdido Street Station (apesar de haver mais neste site ou ainda neste) e abaixo vemos a cidade fantástica de Camorr do The Lies of Locke Lamora. Nas várias galerias disponíveis encontramos ainda tributos a Blade Runner, monstros nas ruas de Oslo, ou comboios a vapor.

Camorr

Camorr (The Lies of Locke Lamora)

Lightspeed Magazine Dezembro 2012

lighspeed magazine december 2012

Eis mais um volume de Lightspeed Magazine que se inicia com o conto de Ted Chiang, Story of your life. Tendo já lido este conto na colectânea do autor, não repeti, apesar de ter gostado imenso da história (muito raramente repito leituras). Sem contar com esta, o volume começa ameno e até desinteressante, compensando com Lázaro y Antonio de Marta Randall, An Accounting de Brian Evenson e Catskin de Kelly Link.

A Story of your Life, segue-se então Cold Days de Jim Butcher, o excerto de um livro do autor onde um cavaleiro acorda refém da sua rainha que, dando ordens para que cuidem dele, o tenta matar de forma diferente todos os dias. Um pedaço intrigante que me fez pensar num cenário mais medieval do que aquele que encontro a partir das capas do livro, mas ainda assim, talvez interessante o suficiente para considerar o livro nas possíveis leituras.

Após esta história temos oportunidade de ver o trabalho de Luis Lasahido, o autor da capa – apesar de grande detalhe técnico, as imagens presentas na revista não me fascinaram, e após visitar a galeria oficial do autor encontrei algumas a meu ver melhores, por evocarem sentimentos e pensamentos mais fortes (como The Thieves).

the_thieves_by_lasahido-d7rwuye

Luis Lasahido – The Thieves

Algumas entrevistas depois (a Junot Diaz e Tad Williams) temos finalmente direito a mais histórias – desta vez um conto distópico, The Perfect Match por Ken Liu. Centrando-se na dependência da tecnologia e na fácil manipulação das populações, é um conto arrepiante pela semelhança com o que nos rodeia, sem ser, no entanto inovador – rapidamente me recordo de vários outros contos que, de forma brilhante, exploraram a mesma temática.

Por sua vez, Swanwatch de Yoon Ha Lee é uma história estranha que se centra, no meu entender, na componente menos interessante do mundo relatado. Uma jovem que aspirava a ser uma patrocinadora das artes, vê-se num género de prisão por um incidente diplomático. Para sair deverá compor uma sinfonia que agrade a um júri exigente (no qual estará o diplomata que a aprisionou).

Se em Dreams in Dust conhecemos uma Terra pós-apocalíptica num episódio consistente que não chega a ser memorável, finalmente chegamos a Lázaro y Antonio de Marta Randall, a melhor história do conjunto. Numa cidade de duas bolhas em que os desfavorecidos se encontram claramente à parte, conhecemos Lázaro, um miserável quase acéfalo que já foi muito mais do que as primeiras páginas deixam antever. História de amor e amizade centra-se neste pobre que lentamente se esquece de si mesmo.

Vintage photo of a skull and pistol as in an old master painting

Brian Evenson é conhecido pelas histórias que envolvem horror e fantástico. Em An Accounting não é diferente. Esta excelente história conta como um homem se fez ao deserto acompanhado apenas por um cão para se tornar num Jesus Moderno, sem nunca ter lido a Bíblia, e usando apenas algumas frases chave. O contexto que o levou a deambular é desconhecido, mas o relato intercala entre o trágico e o cómico numa história demente carregada de pequenos horrores quase normais.

American Jackal é uma de seis histórias relacionadas que se encontram sob um título maior: Family Teeth. Da autoria de J. T. Petty, pertencem ao género de fantasia urbana e descrevem interacções entre humanos-chacal e os humanos que lhes desconhecem esta segunda natureza. Não que esta segunda natureza seja o mais relevante nos seus relacionamentos – são todos pobres de espírito, que vêem apenas o imediato e respondem prontamente com violência seguindo os instintos mais básicos. Neste volume da revista encontramos duas das histórias que, podendo ser lidas de forma independente, se cruzam. São relatos interessantes, ainda que não excelentes.

catskin

Eis então a última autora do conjunto: Kelly Link com Catskin. História de bruxas e feitiços, centra-se no filho mais novo de uma bruxa que morre envenenada. Sabendo que lhe resta pouco tempo, divide os seus tesouros pelos três filhos: os mais velhos, aluados e irresponsáveis seguem vida ignorando as indicações da mãe. O mais novo, por sua vez, fica com a vingança da mãe, uma gata que o irá acompanhar e proteger, até que o rapaz seja capaz de se vingar do bruxo que envenenou a mãe. Apesar dos acontecimentos é uma história sem lamechices, carregada de detalhes mágicos pouco agradáveis. Assim é a vida.

O Caso do Cadáver Esquisito – Vários autores

IMG_3125

Publicado pela Prado, O Caso do Cadáver Esquisito é uma pequena história policial da autoria de 11 escritores que, capítulo a capítulo se substituem para nos apresentar um assassínio de características peculiares. O detective privado que investiga o caso tem de si uma imagem bastante romantizada, mas quebrado o verniz acaba por se mostrar uma ridícula figura.

A cada novo capítulo o novo escritor diverte-se com a sua própria interpretação da história, concedendo-lhe uma nova direcção. Reviravolta a reviravolta, vamos sendo surpreendidos com o rumo da história onde se sucedem novos assassínios de mulheres tatuadas, em que se lêem pequenos versos de autores diferentes.

Apesar da constante substituição de escritor, a história apresenta-se bastante coesa, salvo solavancos em dois dos capítulos que acabam por não fazer grande dano ao conjunto. E no final, não foi o mordomo o culpado.

Uma série de links nacionais interessantes – Janeiro 2015

E porque no espaço nacional continua-se a falar do género de ficção científica e fantástico, muito para além das formas mais comerciais (e por vezes mais juvenis), eis um apanhado de algumas críticas interessantes, bem como de eventos e outros artigos, para o mês de Janeiro:

 

Críticas literárias

Rivers of London – Ben Aaronovitch – Livros, livros e mais livros - crítica a um dos poucos livros de ficção urbana que me despertou o interesse;

Deixa-me entrar – Joana Afonso – aColepsia - crítica à última banda desenhada de Joana Afonso;

Por Mundos Divergentes – Vários autores - Intergalacticrobot – Antologia de histórias de autores portugueses, tendo como palco principal distopias;

 

lisboa-no-ano-2000

Os olhos de Heinsenberg – Frank Herbert – Que a Estante nos Caia em Cima - um velhinho volume publicado na colecção Argonauta;

O saque de Lampedusa - João Barreiros – Nuno Ferreira – mais um excelente conto de João Barreiros;

The Strange Library – Haruki Murakami – Intergalacticrobot - depois de ter lido Sono de Murakami e não ter gostado, estava expectante quanto ao último livro – apesar de ainda não lhe ter pegado, esta crítica faz-me questionar – onde estará o autor que me fez perder o fôlego com Kafka’s on the Shore?

capamundosdivergentes_single

O Barbeiro que contava Histórias - Nuno Lourenço Rodrigues – aColepsia - publicado na revista Cais do mês de Janeiro, parece-me um bom motivo para comprar a revista;

The Veldt – Ray Bradbury – Que a Estante nos Caia em Cima - do mesmo autor li outra história sobre uma casa inteligente (em The Martian Chronicles) pelo que estou curiosa por comparar a forma como neste conto um cenário semelhante;

The Three-Body Problem – Cixin Liu – Intergalacticrobot - um dos livros de ficção científica mais esperados no ano passado, de um autor chinês que é finalmente traduzido para o inglês.

sustos as sextas

Outros Artigos

– Sustos às sextas – Intergalacticrobot- O evento que se vai alongar aos próximos meses iniciou-se em Janeiro auspiciando boas coisas para as seguintes;

– Retrospectiva – O Fantástico em 2014 – Revista Bang! - pequeno apanhado de livros, cinema e polémicas;

– A ideologia de Miyasaki – Virtual Illusion - artigo sobre os filmes de Miyasaki;

– Ano novo, edições novas – a rentrée literária 2015 – Deus me Livro - alguns dos livros que serão publicados em português em 2015

– Concurso de criação de RPG – Imaginauta - e o mundo de Comandante Serralves continua a expandir-se.

 

Outros resumos

Outubro

Novembro

Dezembro